#Nos40DoSegundoTempo

O sexo da mulher de 40

Na minha época de escola não existia essas modernidades de aula de educação sexual, que pena, fico imaginando quantas de nós passamos apuros por falta de informação e pura ignorância. Falar sobre sexo abertamente não era tão simples assim, eu e minhas amigas hoje em dia somos o oposto do que éramos na adolescência. A gente conversa e, conversa muito sobre sexo, falamos de sexo sem tabus, fazemos descobertas íntimas, trocamos dicas sexuais, mas o que é mais importante nessa roda de conversa, foi aprender que os sexo faz parte da saúde feminina.

Com a chegada dos 40 anos, nada mais natural do que tirar algumas MUITAS dúvidas com quem fala da maneira mais simples e descontraída do universo, uma sexóloga. Marina Vasco além de, minha amiga é também psicoterapeuta e sexóloga, especialista em questões dos universos feminino e masculino. Um fera no assunto. Ela fala de sexo com a mesma naturalidade com que, fala sobre os preço dos alimentos no mercado, isso faz com que a gente não sinta envergonhada e a nossa timidez logo desaparece, dando início aos assuntos mais “picantes”.

A Marina sempre me falou sobre a diferença entre a mulher e o homem, em relação ao sexo “Dizemos que a mulher tem o desejo mais responsivo e o desejo do homem é mais espontâneo”ou seja a gente precisa de mais estímulos do que eles. Será que com a chegada da meia idade, nós mulheres vamos perdendo o desejos sexual?! como nos sentimos em relação ao nosso corpo nu?! as perguntas eram muitas, por isso, eu resolvi gravar um vídeo com ela, pra gente começar a falar um pouco sobre essas questões.

Assim, surgiu o primeiro vídeo da 1* Temporada do #Nos40DoSegundoTempo sobre as questões femininas das mulheres dos 40 anos de idade. Na verdade o vídeo vale para todas nós mulheres, enfatizei mais no fator da idade, simplesmente porque vive esta idade, tenho dúvidas, tenho receios e queria fazer essa troca com vocês.

MULHERES

Em um estudo, publicado no periódico científico The Journal of Sex Research, podemos observar as vantagens da idade.

“Foi apontado que, apesar da frequência sexual ser reduzida, as mulheres disseram que suas vidas sexuais melhoraram com a idade. Segundo um estudo apresentado no Congresso da Sociedade da Menopausa da América do Norte, de 2016, isso pode ter relação com o fato de as mulheres heterossexuais sentirem-se mais confortáveis sexualmente com o passar do tempo, tanto pela autoconfiança como pela comunicação com o parceiro, em relação aos primeiros anos de vida sexual.

Em outras palavras, com o tempo, as mulheres tendem a se concentrar menos na frequência e mais nos aspectos emocionais e íntimos do sexo – ou até no conhecimento do próprio corpo.

Para os pesquisadores, a idade permite que os parceiros se concentrem mais na quantidade e qualidade do sexo do que na frequência. Afinal, o sexo mediano pode levar à insatisfação sexual em um relacionamento, enquanto uma relação de qualidade, mesmo que de vez em quando, pode ser mais efetiva”.

Lá na época da minha adolescência, onde a troca de informações fez falta para muitas meninas, eu não queria chegar nessa fase sem elas. Por isso, para as mulheres de hoje, um pouco mais de informação sobre sexo.

Assistam ao vídeo, compartilhe e se inscreva no meu canal. Com vocês: Marina Vasco & LuMich

Direção e Edição: Wellas Diniz

Viagem em família!! {Parte 2}

Segunda parte da nossa viagem em família, onde paramos?! sim, San Simeon. Na verdade hoje foi dia de visitar ou melhor apresentar o Hearst Castle para as crianças – nunca, em hipótese alguma eu vou conseguir chamá-los de adolescentes ou adultos – enfim, eu queria muito mostrar para as crianças esse castelo. Lembro da primeira vez em que eu fui nele, fiquei simplesmente estarrecida com a grandiosidade ou melhor com toda aquele opulência de obras de arte que, vinham do teto até o chão, fiquei ainda mais chocada com a beleza da piscina externa, só mesmo um louco viciado em excentricidades seria capaz de mandar construir um castelo como este.

“A história do Hearst Castle começa em 1865, quando George Hearst adquire 40 mil hectares de terras no Estado da California. Após a morte de sua mãe em 1919, William Randolph Hearst que havia herdado milhares de hectares em torno de San Simeon, ao longo do tempo passa a comprar ainda mais terras ao seu redor. A propagação dessas terras abrangeu aproximadamente 250 mil hectares. Com a arquiteta, Julia Morgan, Hearst concebeu um “modesto” retiro que, ele passou a chamar de La Cuesta Encantada ou “Enchanted Hill”. Em 1947, quando Hearst teve que deixar o local por causa de sua saúde frágil, a propriedade ainda estava inacabada, embora com 165 quartos e 123 hectares de jardins, terraços, piscinas e passarelas, todos construídos com as especificações de Hearst e apresentando uma coleção de arte lendária”

Pra quem gosta de história e arte, esse passeio é a própria Disneylândia dos adultos. Ficaria horas falando sobre a sua construção ou suas particularidades, mas infelizmente precisamos partir para a nossa nova cidade e parada noturna – Carmel. Chegamos por volta das 7 horas da noite, dessa vez nenhum bloqueio nos enganou, já estamos cientes deles e não perdemos tempo algum. Nada como se informar corretamente, não é mesmo?! #FicaADica.

Enquanto, o Beto fazia nosso checking, me deparo com o que seria nossa mascote durante a viagem, a galinha SaraLim, foi amor à primeira vista. Claro, na mesma hora em que o Beto à viu, sua reação já era esperada por todos nós “Pra que você comprou essa coisa inútil?!”, eita homem sem coração, como diria Renato Russo – “Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração?!“.Dormimos apenas uma noite, no dia seguinte fizemos um reconhecimento pela cidadezinha, muito charmosa e partimos munidos de muitas guloseimas para o nosso destino de neve desta parte da viagem.

Foram umas 4:30 de viagem até Lake Tahoe, durante o trajeto, uma pergunta não saia das nossas cabeças “Cadê a porra da neve?!”. Onde antes já havia neve no passado, agora nada dela. Chegamos, ainda era dia, realmente a neve tava bem mais ou menos, viajamos um monte, fizemos todo um planejamento pra encaixar o ski e, agora essa neve sem graça. Foi então que, eu decidi dessa vez eu não vou esquiar. Simples assim. Vou ficar no SPA do hotel, troco meu skipass por massagens. Nunca tomei uma decisão tão acertada em toda a minha vida (Rsrs).

Foram poucos, mas dias maravilhosos de pura inércia e muita massagem no corpo, no rosto, além da hottub, da sauna, do relaxamento e dos muitos vinhos para aquecer o corpo e a alma. O Beto e as crianças esquiaram, então no final do dia nós nos encontrávamos para aperitivar ou jantar juntos. A Perfect match.

Como tudo que é bom dura pouco, nós e a mais nova integrante da família SaraLim partimos para São Francisco. Aqui aconteceu mais uma dos imprevistos (se assim eu posso chamar), só que foi um dos maiores que eu já tive em qualquer viagem. Calma, já conto tudo, antes vou falar o que fizemos de bom por aqui, ok?!. Muitos passeios, andamos nos famosos bondinhos pela cidade, passeamos pelo Pier, pelo centro (*comprinhas de ocasião – depois eu explico este significado) pelo bairro do Castro, pela Golden Gate, enfim pelo pontos turísticos principais. So far so good.

Último dia, jantar, banho, todos mundo fechando suas malas e, eu pergunto “Cadê os meus dois anéis?!”. Procuramos exaustivamente pelos dois quartos e nada, eu começo a pressentir o pior. Fato, sumiram. Chama a segurança, aquela novela toda de empurra-empurra de responsabilidades. Nada se resolve, eu sem muitas esperanças preciso tomar um Rivotril pra tentar dormir.

Acordávamos muito cedo, tínhamos um voo para New Orleans, nossa última cidade dessa viagem em família. Sigo para o aeroporto com cara de velório, tristíssima sem meus anéis de estimação, entro no avião apelando para a física quântica, apelo para a força do pensamento positivo, afinal só ele naquele momento poderia trazer de volta meus lindos anéis. Sento ainda a contragosto, o Beto resolve pagar a internet do avião, manda uns emails na tentativa de que alguém se mexa de fato, até que, recebemos a feliz notícia: os anéis foram “encontrados” na segunda tentativa de busca pelos quartos. Aham, ok!! Seja lá como eles “apareceram”, mande-os de volta para mim, NOW!! (no dia seguinte via fedex overnight, eles chegaram :).

Aliviadíssima, a nossa chegada em New Orleans foi pura alegria, digo nossa porque se os anéis não tivessem “aparecido”, imaginem o meu humor, não é mesmo?!. De cara já deu pra sentir a good vibe do lugar, pegamos um motorista para nos levarmos ao hotel, ele se parecia mais com um personagem de filme, tipo Louis Armstrong & Billie Holiday – Do You Know What It Means To Miss New Orleans. O cara era uma figura, falava, gesticulava, era cheio de gírias incompreensíveis, até mesmo para os mais fluentes em inglês. Eu fazia cara de “Tô entendendo tudo”, ria e perguntava “O que ele falou?!”, resposta – “Não entendemos também”. Alívio, eu não era a única.

Logo de cara, tínhamos um compromisso pela noite. Na verdade, essa parada por NOLA tinha um propósito, o casamento de uma amiga muito querida do Beto. Por isso, acabamos parando nessa cidade tão excêntrica, com um pouco de tudo, ou como eu ouvi falar por lá – “Do luxo ao lixo”.

Fomos a um bar de um hotel famoso, até aí tudo normal, banda tocando aquele jazz calminho, o povo conversando numa boa, tudo muito básico. Saindo de lá resolvemos andar pelo famoso FrenchQuarter, aí o bicho pegou. A cada entrada de bar, uma música e um grupo de pessoas completamente diferentes. Tinha desde música negra de raiz, até rock and roll, misturado com hip hip e muito pop. Uma salada musical de estilos. Uma loucura, como diria a Narcisa. Teve Mardi Gras pelas ruas, aquele Carnaval típico dos Orlenianos(as). Agora, o ponto alto mesmo de toda essa festa, foi quando pediram meu ID ou RG (como quiserem), para eu poder entrar em dos bares, achei simplesmente lindo me confundirem com uma “menor de idade”.

A prova cabal!!!!

Sobre o casamento, ele merece um post à parte. Definitivamente, foi um dos melhores dos últimos tempos, nada de frescuras e muita alegria pelas ruas.

Fiquei completamente apaixonada por essa cidade, sua parte histórica é encantadora com aquelas casas antigas instaladas no bairro do Graden District, lembravam “O Vento Levou”, ok, não se passava em New Orleans, e, sim, na Georgia, mas o cenário era parecido, isso que interessa nessa minha associação. Muita história pelas ruas, pelos cemitérios – alias, este é um programa imperdível – se vier para Nola, tem que fazer o tour do Cemitério de Lafayette. Aproveite e almoce no mais tradicional dos restaurantes – o Commander’s Palace – só, um aviso: a comida leva muitos condimentos e muito alho. Mas, o meu melhor conselho é, festeje muito, Nola é a cidade ideal.

MY ❤️ SQUAD!!! • • “The bright turquoise-and-white building on the corner was erected in 1883 for Emil Commander to be run as a restaurant. It is now considered to be one of the best restaurants in the United States and has been owned by the Brennan family, some of New Orleans’ foremost restauranteurs, since 1974. Locals attend the weekday martini lunches – twenty-five cents for a martini with an entrée! – but the weekend jazz brunch is also a nice option. Reservations are required and there is a strict dress code” • • Da série 📸This is NEW ORLEANS 🔝🎷🎺🎼🎹🎭 • • #neworleans #neworleanslife #wanderlust #globtrotter #viajandopelomundo #worldtravelpics #instatravel #travelblogger #louisianaphotographer #nola #thebucknermansion #gardendistrict #commanderspalace #comanderspalace

A post shared by L u M i c h e l e t t i (@lu.mich) on

Dia de voltar, aquele velho mixed feelings entre a vontade de continuar viajando com eles, com a saudades de voltar pra casa e ver as cachorras: Marie e Lolla (apesar de bem cuidadas, nos aguardavam saudosas).

O avião aterrisa no Brasil. Pedro nem mal chega e, já vai trabalhar, resta o Beto e a Cora que ainda vão ficar mais esse restinho do dia em casa. Amanhã, vida que segue, ansiosa pela nossa próxima viagem em família, essa união de alguns dias grudados nunca terá preço, minhas crianças vamos aproveitar nossas férias juntos até quando vocês quiserem, até quando vocês estiverem por aqui. Termino meio melancólica, porque sei que, eles um dia terão asas…

Eu me visto pra mim

A grande verdade é a gente nasce e, já começa a se vestir para/pensando nos outros, por isso eu começo este post logo de cara com uma pergunta “Pra quem você se veste?!”Me responde no final, OK?!

Vamos lá: nasceu (Eu) uma menininha e com ele o mundo cor de rosa surge com toda a sua fúria, contraditório afinal, essa cor nos remete a “romantismo, ternura, ingenuidade e está culturalmente associada ao universo feminino. Aliás, outras características como beleza, suavidade, pureza, fragilidade e delicadeza manifestadas pela cor rosa, geralmente, são também atribuídas às mulheres”, ou seja já nascemos condicionadas a uma única cor. Catzo, quantas cores existem na natureza?! milhares. Somos obrigadas a focarmos em apenas uma. Não adianta me dizer que as coisas estão mudando (eu até acho que estão, Thanks God!!), mas eu nasci a 10.000 mil anos atrás, ou seja naquele tempo o mundo de uma menina era rosa e do menino era azul. Ponto final.

Diante desta obrigação “contratual” do sexo feminino, minha infância foi puro rosa. Quando eu cresci mais um pouco e fui entrando na adolescência, obviamente passei a vestir outras cores, ufffa – estava na hora de ser mais moderninha – mas aquele rosa estava sempre lá, a espreita como uma lavagem cerebral, por isso, eu sempre acabava escolhendo algum acessório dessa maldita cor. Devo dizer que minha progenitura não me obrigava a vestir rosa desde o amanhecer até o anoitecer, mas essa era a cor de menina e, o meu jeito de ser era fofo demais para as outras cores. Não venha dar risada, eu sou uma leonina romântica, oras.

Lembro que éramos 3 meninas no prédio, em que eu morava: Eu, Carola e Déia. Um belo dia resolvemos comprar uma pochete igualzinha para cada uma de nós (auge da moda dos anos 80), mas de cores diferentes, adivinhem quem ficou com a rosa?! Eu, claro. Tudo na minha vida era rosa. A canga das minhas férias em Arraial D’Ajuda, os enfeites do meu quarto, a bolsa que eu usava, o tênis que eu calçava e, assim eu seguia a minha “maldição” rosada.

Pois muito bem, virei uma jovem mulher, definitivamente o rosa estava meio over naquele momento. Passei da doçura do rosa para a elegância do preto; “associado com o poder, formalidade, morte, mal, e mistério. O preto é uma cor misteriosa associada ao medo e ao desconhecido”. Eita, que mudança radical. Da menina angelical à misteriosa mulher.

Definitivamente, se eu analisar minhas escolhas elas estão relacionadas muito com o “gosto alheio”, de uma maneira bem simplista, a gente começa a se vestir influenciada pela nossa mãe, onde as nossas necessidades afetivas permanecem em nós. Quando crescemos, passamos pela influência da moda, aprendemos com Ms.Chanel que o little black dress (pretinho básico) é sinônimo de mulher bem vestida, passamos a investir nele como loucas. Quem aqui não fez uso dessa máxima do pretinho básico, hein?!

Na sequência da transformação da vestimenta feminina, eu preciso pontuar a seguinte frase “Mulheres se vestem para mulheres”, acho totalmente verdadeira essa frase, eu mesma me vesti muito para as mulheres como forma de autoafirmação. Nada de gosto pessoal, era pura competição. Difícil admitir, mas é a pura verdade. Se uma peça entrava na moda e todas usavam, eu ía atrás da mesma, não dava pra ficar de fora. Efeito manada, {AQUI} lembram?!

Acho que já fiz muito isso, elaborava a roupa do casamento de uma determinada pessoa, muito mais para mexer com os brios da mulherada do que para me satisfazer internamente. Insegurança e disputa, essas duas andavam sempre do meu ladinho. Certas situações sociais eram verdadeiros tormentos na minha vida, ter a “obrigação” de lacrar era sufocante – como eu não poderia ser a mais bem vestida?! – Hoje, eu vejo quanta energia desperdiçada, mas acho no fundo que é raro a mulher que não tenha passado por essa situação.

Outro caso comum a nós, mulheres é a dúvida em simplesmente se decidir sozinha. Vejo tantas amigas ainda hoje muito inseguras ao se vestirem, elas não confiam nas suas escolhas, precisam sempre do aval de uma outra mulher, uma espécie de código de dependência. Óbvio, é sempre muito prazeroso sair para as compras entre amigas, mas eu falo de uma certa sensação de inadequação, entende?!

O pior dos mundos é você entrar no provador com a amiga e ela não gostar da sua roupa. No fundo você só queria o sim dela, não a opinião verdadeira, não é mesmo, miga?! certamente você vai acabar levando a roupa que não gostou tanto, só porque ela gostou mais ou avalizou a outra peça. Quantas vezes eu já estive nas duas posições?! meu lema agora é o seguinte, se a minha amiga não estiver vestida de palhaça, eu apenas elogio, não é uma questão de falsidade, mas sim solidariedade. É ela quem tem que gostar, NÃO eu.

Com a passagem do meio, fui e continuo me libertando dessas amarras aos poucos. Não sei se essa liberdade só acontece com a chegada nessa idade, talvez sim, talvez não, mas o fato é que só agora, com meus 45 anos é que, eu me sinto muito mais leve e decidida. Não me visto mais para lacrar ou ser a mais bem vestida, isso pode ser apenas a consequência, whatever. Não deixo de vestir o que eu estou com vontade, porque vou me encontrar com fulana e, se essa fulana está sempre nos saltos, aliás ando usando saltos cada vez menos, não me sinto na obrigação de também estar, não estou aqui para competir. Conforto é a minha palavra de ordem, ultimamente.

Eu acho que cada mulher precisa se tornar cada vez mais uma mulher indivíduo, a gente precisa aprender a ceder as enormes exigências do mundo externo. Não dá pra passar a vida toda esperando um SIM no provador. É por isso que, eu hoje me visto para mim. Ok, não vou ficar chateada se eu receber um conselho ou uma dica de amiga, se eu ficar indecisa ou até mesmo receber uma reprovação alheia, somos pessoas de carne e osso, mas minha vontade é a que vai prevalecer acima de tudo, não vou me preocupar em lacrar, vou vestir o que eu gosto. Me encontro totalmente em processo de descontrução.

Se o casamento tiver dress code, ainda assim eu vou do jeito que eu estiver me sentindo bem. Prova disso foi a minha improvisação do último casamento em que eu fui convidada, um dia antes descubro que era para usar calçados confortáveis (coisas de New Orleans). Problema à vista, o único calçado confortável (além do meu tênis) não se encaixava no meu outfit. Na verdade até então, aquela regra de vestido longo com salto alto ainda era parte do meu condicionamento feminino. Mas como parte da minha nova visão de emancipação feminina, eu dei de ombros para os meus antigos padrões, vesti meu sapatinho fechadinho e ultra confortável, sem me importar com outros(as).

Mais um detalhe, eu estava levando um vestido para o casamento que, meu marido não gostava, a princípio quando eu estava fazendo a mala, cheguei a pensar em mudá-l0, mas parei e pensei melhor…“Eu gostei!”, já pra mala.

Agora, você já pode me responder

"Pra quem você se veste?!"