Eu acho que a traição é um ato horrível, mas quem nunca traiu seu cabeleireiro que atire a primeira pedra. Sim, vamos falar deles e delas, pessoas que nos atendem muitas vezes semanalmente, pessoas que acabamos contando nossas intimidades até, aquelas mais picantes. Porém, muitas vezes trocamos nossa fidelidade por novas aventuras passageiras (outras nem tanto).

Escolher uma pessoa para cuidar do seu cabelo é mais importante do que escolher muitas vezes seu próprio marido (contém certa ironia), vamos combinar, acertar com um cabeleireiro é como ganhar na loteria, fato que ocorre com uma proporção ínfima da população mundial. Por isso, quando acertamos é como se o mundo conspirasse a nosso favor. Ok, às vezes você precisa de mais de um cabeleireiro. Calma, eu explico. Um pode ser o mago das cores, o cara para tintura de cabelos, mas em contrapartida não é bom no quesito corte. Nisso você precisa de um segundo cabeleireiro, mas ainda assim a escova e o babyliss dele não dura nada, fazendo com que se escolha um terceiro cabeleireiro que é fera nesse quesito. Contabilizando 3 cabeleireiros no total para uma mulher.

Como tudo isso pode funcionar em perfeita harmonia?!

Simples, mentindo um para o outro. Você fala que cortou o cabelo para o cabeleireiro de número 1 (aquele da tintura), durante uma viagem de férias, assim não fere seus sentimentos. Já, para o cabeleireiro de número 2 (aquele do corte) você jura de pé junto que seu cabelo é loiro de nascença e ficou cheio de luzes por conta do sol. Eu sei, essa desculpa não é a melhor de todas, mas foi a única que me veio na cabeça. Sobre o cabeleireiro de número 3 (aquele da escova/babyliss), você simplesmente não fala absolutamente nada, se finge de morta quando ele perguntar sobre a cor e o corte do seu cabelo, muda de assunto é conta uma fofoca quente pra desviar o foco.

Pois muito bem, até agora essa equação vem funcionando com maestria. Agora, quando você resolve trair o número 1, número 2, número 3 com o mais novo número 4 (aquele que caiu de paraquedas), simplesmente, vai complicar o meio de campo, vai dar bosta, vai foder o esquema todo. No meu caso foi exatamente isso o que aconteceu. Fui inventar moda e precisei pedir pinico. Contarei em detalhes minha vacilada.

Um belo dia depois de almoçar, eu resolvi caminhar pelo shopping, passei em frente ao salão, marotamente resolvi perguntar se “fulana(o)” tinha horário vago naquele exato momento. Que sorte, tinha. Eu que nunca havia visto o ser humano na vida, entrei pra cortar o meu cabelo apenas vendo algumas fotos do seu trabalho pelo Instagram, fui na confiança do meu sexto sentido. Eu queria  cortar as pontas (eu sei, a gente sempre fala isso), mas na empolgação do momento, cortei muito mais do que as pontas e fui parar no lavatório para tonalizar os cabelos. Resolvi que eu deixaria de ser loira para virar morena mel, assim de repente.

Não, o pior é que ninguém me convenceu, eu me convenci sozinha. Eu decidi que eu estava cansada da minha cara – típico da minha pessoa “enjoar” do próprio cabelo – e, fui mudar de loira para morena, de longo para curto. Obviamente, eu sai me sentindo uma Deusa Grega do salão, sai me amando, falando que nunca mais seria loira outra vez na vida – típico da minha dramaticidade – meu novo cabelo estava divino.

Dois dias depois…eu lavei o cabelo, fui secar com meu secador caseiro, sem escova, sem babyliss, comecei a olhar aquele cabelo completamente transformado, batata, não me reconheci mais no espelho, entrei em crise imediatamente. E agora?! além de estar com o cabelo completamente diferente, eu ainda trai o meu cabeleireiro número 1 , número 2 e número 3 pelo número 4. Como voltar para o salão e dizer “Querido, pintei o cabelo e cortei em outro salão, não gostei do tom tão escuro, será que você pode iluminar um pouco, porque eu não quero voltar no número 4?!”

É, nesse caso que eu entendo completamente as mentirinhas do bem. Não dá pra ser sincera e cometer um sincericídio. Não existem pessoas mais apegadas nesse planeta do que os meus e os nossos cabeleireiros. Eles fazem macumba antecipada no caso da gente pensar em trair eles, eu tenho certeza disso, porque sempre que traímos, acabamos voltamos com o rabinho entre as pernas e pedindo pinico pra eles.

Entrei na salão, pedi perdão e fui iluminar um pouco o cabelo, na tentativa de aguentar mais tempo essa fase morena mel. Sou leonina com ascendente em peixes, ou seja minha juba, minhas regras, sinto falta de poder fazer um coque dando um simples nó no meu próprio cabelo, esse é um recurso infalível naqueles dias quando ele acorda rebelde, sem vontade de ficar arrumado. O lado pisciano é a sensibilidade, então preciso trabalhar a arrependimento de ter mudado tão radicalmente, nessas horas um floral vai bem.

Abaixo a foto do novo cabelo, ele já deu uma desbotada básica, mas ainda assim está bem mais escuro do que sempre foi, além do tamanho. Alguns vão dizer que eu sou exagerada, outros nem tanto, mas o bom é que cabelo cresce (o meu cresce rápido) e, eu posso mudar de cor a hora que eu quiser, voltar a ser loira, assim como posso trair às vezes meus eleitos por alguma novidade momentânea (ou fixa). Essa regra se aplica à tudo na minha vida, afinal não tem coisa mais saudável do que quebrar as regras, não é mesmo?!

E aí?!!! fico loira novamente ou 

sossego no morena cor de mel?!!!!


*
Em tempo, eu AMO todos os meus cabeleireiros: os velhos, os novos, os do momento, todos – mesmo com a minha narrativa exagerada proposital – fizeram e continuam fazendo um trabalho maravilhoso.

Posts relacionados

  • Grávida pode pintar o cabelo?!
    Hoje fui levar a minha irmã, Mariana  — que chegou recentemente de Barcelona, exclusivamente para apresentar a sua barriguinha de 7 meses à família — ao salão fazer reflexo. Eu sei que, muitos médicos preferem que suas grávidas não... Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *