Quem são eles?! Aonde vivem?! Porque se reproduzem rapidamente?!! Esse é o padrão dos meus diálogos interiores, e, muito provavelmente dos seus também.

Pense em um problema – não precisa ser um dos mais problemáticos e cabeludos, não – agora, pense numa situação específica e no seu desenrolar natural. Bingo, você ganhou o bolão, diga adeus ao sono revigorante, sua cabeça vai dar looping – problema gera mais ansiedade, ansiedade gera mais problema – Aliás, é justamente na hora mais prazeroso do dia, digo da noite, a hora de colocar a cabeça no bendito travesseiro, lá estão eles a nossa espreita. Seja para a felicidade ou para a tristeza, os diálogos interiores e o nosso ego idealizado.

Não vou problematizar o meu motivo, ele é bobo, sem importância, mas ganhou um upgrade pra classe executiva na minha cabeça, e, me fez perder horas preciosas de sono. Uma simples discussão de conceitos, nada que passasse de um ponto de vista divergente entre duas pessoas, foi garantia de aborrecimento pra mim. Claro, eu queria vencer, ou melhor o meu ego queria.

Não vou entrar no mérito da questão, mas o motivo me deixou simplesmente irritada. Por vezes, eu me peguei narrando o ocorrido mentalmente, repetidamente, pensei em várias respostas lacradoras, além de pequenos “sadismos” psicopatas, como arrancar a língua do(a) indivíduo. Ok, isso foi só pra alimentar o drama no texto, eu nunca faria isso. Faria?! momento risada diabólica.

Enfim, que porra é essa que, faz a gente perder o sono, e, por vezes a saúde?!

Porque, ficamos remoendo uma discussão sem importância pra nossa vida?! o que eu ganho com isso?! Nada. Observe o seu corpo e suas reações num futuro próximo, tipo horas depois, será que uma enxaqueca ou uma dorzinha de estômago vai dar os primeiros sintomas em breve?!

A resposta está no nosso EGO IDEALIZADO, aquele que faz com que tenhamos uma expectativa acima da média, que consegue mudar a nossa emoção e a nossa razão negativamente, pra um emaranhado de falsas análises. Na verdade o nosso Ego não tem nada de ruim (todo mundo tem um), desde que a gente consiga se livrar do apego à ele, caso contrário ele vai causar sofrimento, pode apostar comigo. Muitas vezes, a dificuldade em desapegar, causa tanta frustração que, o corpo sente seus efeitos colaterais e adoece.

Tem pessoas que miram pra raiva, agressividade e se transformam em resignadas. Outras são depressivas, a mente sofre junto do físico. Entre egos reais e idealizados, podemos concluir “A gente só vê o que os nossos olhos querem ver…”, é, de acordo com a nossa realidade que projetamos o “Eu” idealizado.

Borá trabalhar esse ego que, não cabe dentro do corpo e da mente. Borá se livrar das falsas idealizações e borá viver com a realidade. Não é fácil, mas é possível. Eleve a sua autoestima, trabalhe seu autoconhecimento que, essa dupla juntas, podem fazer verdadeiros milagres por você e por mim.

Chegar #Nos40DoSegundoTempo foi e continua sendo um aprendizado constante, envelhecer é um momento cercado de estigmas e tabus, então imaginem o ego como passa por ele, não é mesmo?! não dá pra descuidar, não dá pra se largar em falsas expectativas, aceitar a passagem do tempo é um trabalho de desapego. Um trabalho de felicidade interna. Queira o seu bem, sempre, aplique esse conceito no seu dia a dia, nas suas questões cotidianas, se pergunte “Quem tem razão, você ou o seu ego idealizado?!”.

Posts relacionados

  • Envelhecer: bons ventos sopram…
    Envelhecer é uma barra. Sentir o seu corpo falhar, nunca será simples, nem para os mais otimistas. Para nós mulheres, existe uma carga a mais – o preconceito – nesse mundo machista e jovem, onde homem pode tudo e... Continue lendo
  • A Disciplina e o Princípio da Incerteza
    Quem te disse que tudo na vida precisa ter uma regra específica?! quem te disse que não seguir essa mesma regra estabelecida é um sinal de fracasso?!não me canso de presenciar discussões sobre educação de filhos, carreira e sucesso,... Continue lendo
  • Carta à minha filha, Cora
    Temos tantas maneiras de fazer uso do nosso direito de fala neste dia 08 de Março que, às vezes não sabemos ao certo de onde começar, por isso vou começar do começo, do ponto de partida, do momento em... Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *