Oi Meninas, oi João! #PapoNaPiscina

Oi Meninas, oi João. É assim que, geralmente começamos nosso papo diariamente no grupo. E, foi por conta desse mesmo grupo – onde apenas um afortunado pertence ao sexo oposto – que, eu fiz uma ponte aérea esse final de semana. Essa seria a segunda edição do #PapoNaPiscina das blogueiras Carla e Joana do Futilidades. Pra quem está de fora vendo apenas as fotos da festa, pode imaginar que um blog e suas respectivas blogueiras resolveram dar uma festa de comemoração, sim, também houve muita comemoração, mas acima de tudo, houve muita união e acolhimento. Nada seria possível sem essa combinação.

Não estou falando da união de uma categoria, até porque a grande maioria das meninas não eram blogueiras, mas sim leitoras de blogs e amigas. Estou falando de uma união de filosofias. Todas nós estamos lutando para quebrar aqueles velhos padrões (exclusivos) de beleza, paradigmas impostos, para dar voz a meninas e mulheres que sempre se sentiram excluídas de diversas maneiras, para ouvir e ser ouvida. Enfim, são tantas novas possibilidades, criamos novos contatos, novas formas de ajudar e ser ajudada, fazemos desabafos sofridos e desabafos felizes, nos acarinhamos e estendemos nossas relações de afeto à pessoas que, certamente nunca conheceríamos se não fosse por esse grupo. Nos unimos.

Carla e Joana entenderam, assim como eu, você e muitas outras mulheres, que esse modelo pré-estabelecido criado por uma sociedade muito preocupada com apenas ter e aparecer, estava dando sinais de esgotamento, distribuindo infelicidade, criando um distanciamento do verdadeiro valor da vida: ser feliz.

E, foi nessa hora que o #paposobreautoestima firmou seu pé. Onde tem demanda, tem procura. O sucesso desse grupo foi imediato, ele realmente é um movimento de ajuda mútua e puro amor. Mas vou deixar de lado um pouco todo o conceito por trás dele, vou falar mais sobre a festa. Quando recebi o convite delas (Carla e Joana) fiquei muito feliz, percebi o quanto o grupo me fez bem e o quanto eu pude contribuir para ele.

No dia, exatamente no dia, depois de dias maravilhosos de muito calor, uma nuvem inconveniente se aproximou do Rio de Janeiro e fez o tempo virar por completo. Pensei Seria o caso de adiarem a festa?!”, que nada, os planos continuavam todos firmes e fortes. Recebemos das meninas um comunicado, nenhuma chuva abalaria essa vibe. Dito e feito, vesti o meu maiô, meu shortinho de praia e segui rumo a festa. Foi um encontro atrás de outro encontro, muitos abraços e todas na onda praiana.

Uma das coisa mais louca da vida (e, dessa festa), foi encontrar as pessoas que, de certa maneira são tão íntimas de mim pela internet, só que dessa vez pessoalmente. Cara a cara. Confesso envergonhada, algumas eu não reconheci de primeira – sou péssima para reconhecer pela foto do perfil – a querida Giovana que o diga, cruzei com ela no elevador, recebi um abraço tão carinhoso e quase morri de vergonha, porque não a reconheci.

Obviamente, na festa percebi meu erro horroroso e me redimi. Aliás, essa pessoa é uma das maiores conselheiras do grupo, tem sempre uma palavra de carinho para todas nós. Nunca deixa ninguém no vácuo. Não posso esquecer de comentar sobre a Roberta, ou Beta para os íntimos. Uma das mais bem humoradas do nosso grupo, seu humor inteligente é priceless.

Enfim, encontrar a Carla e a Joana é sempre um grande prazer, as meninas estavam simplesmente radiantes, maravilhosas e iluminadas. Fizeram uma festa tão caprichada, repleta de mimos para todas nós, cheias de alegria, música da melhor qualidade e um alto astral contagiante. Isso sem contar no outfit praiano delas, as duas usaram uma saída de praia feita pela Adriana Meira, estilista baiana que fez um trabalho de colagem muito original.

As meninas contaram sobre a importância de alguns símbolos, como o diamante, um dos símbolos do Futi, além de uma rosa, que representa o poder do feminino e, assim receberam essa lindeza para usarem à beira da piscina. Sim, a chuva deu uma trégua e a festa se estendeu também para área da piscina, além do famoso Plano B, o interior do salão. Nada conseguiria nos deter, fazendo chuva, ou fazendo sol.

As Paulixxtaxxx com a Musa Carla!

 

As Paulixxxtaxx e a Diva Joana!

Quando eu comecei a dançar, só parei quando 
acenderam as luzes e a música acabou de vez.

A mulherada aterrissou de várias cidades do país, tiveram as mineira, as cariocas, (nós) as paulistas, enfim tiveram de um tudo. Meu SQUAD paulista era composto por: Ana Paula, Raquel, Fê, Pati e Lis. Todas nós nos conhecemos no primeiro encontro do Papo em São Paulo, um picnic delicioso.

Entre nós, temos a Raquel que é a nossa brownie cook, suas delícias podem ser encontradas AQUI. A Fê arrasa nas bijous AQUI. Pati é a nossa professora. Já, a Lis além de garota da TI (tecnologia da informação) é uma blogueira undercover AQUI – a garota, arrasa nos textos. Seu post sobre a nossa festa na piscina é uma declaração de amor e generosidade.

S.Q.U.A.D.

Preciso falar do João. Esse presente da internet é amigo da Cá, da Jô, e meu amigo também, há alguns anos. Anos atrás fazíamos parte de um pequeno grupo fechado no Facebook, onde falávamos de tudo e mais um pouco. O grupo se acabou, mas nossa amizade não. Agora, o mais curioso é a parte onde eu NUNCA havia visto (pessoalmente) o João.

Sempre tentamos nos encontrar, uma vez ele foi à São Paulo, mas eu estava viajando, enfim nunca calhou desse encontro sair do virtual. Dias antes da festa, ele descobriu que eu estava indo, imaginem a nossa felicidade quando eu finalmente o vi – meti logo um abraço, que durou uma eternidade. Sim, ele é o único homem autorizado a participar do grupo, privilégios de uma pessoa incrível.

Eu & Ele

Amanheceu, com a água da chuva e anoiteceu com água da piscina. Tchibum!

Assim, foi a minha ponte aérea...  

Mulherada unida!

Fotos: Gabriela Isaias (arrasou!!!)

Consultoria de Imagem…Sem regras!!!

Foi há quase 10 anos que eu estudei Consultoria de Imagem em Nova Iorque, quem acompanha meu blog, sabe bem disso. Já escrevi vários posts sobre o assunto, entre eles, posts sobre quais ensino quais são as melhores opções na hora de escolher a roupa que se encaixa no seu biotipo, como seguir as regras da moda, o que é certo, o que é errado, qual é a sua cartela de cores, enfim a Consultoria de Imagem sempre foi como uma fórmula matemática, siga sempre elas.

Usamos alguns truques para disfarçar o quadril largo, por exemplo: sempre atraia a atenção para a parte superior do corpo, opte por blusas com decote canoa, cores claras na parte inferior, nunca, calças de preferência no modelo flare e tecidos mais encorpados para não marcar a silhueta. Regras.

Ao final de uma sessão de Consultoria de Imagem, todas as minhas clientes recebem (em alguns dias) um relatório completo, sobre tudo aquilo que foi dito e analisado durante essas horas que passamos juntas, todas essas regras estarão devidamente transcritas nesse estudo, desde a análise do biotipo, até a analise cromática. Simplesmente tudo.

Pois muito bem, depois de ler o relatório, supostamente a pessoa pela qual eu passei todas essas informações, já pode andar com suas próprias pernas, afinal ela já tem em mãos as respostas sanadas para todas as suas dúvidas. Com o novo estilo definido e o guarda roupa devidamente preparado, só falta colocar em prática, certo?!

Errado, não é bem assim. Pela minha experiência as mudanças são tantas, que sempre demora algum tempo para interiorizá-las, isso sem contar a parte de decorar todas as várias regras, a partir do momento em que o relatório é entregue, sim porque elas são bem específicas para cada tipo físico, rosto, estilo e cartela cromática. Tudo personalizado.

Então, seria apenas uma questão de decorar as regras, 
não é mesmo?!

Com a minha experiência durante e depois das consultas privadas, foi justamente essas regras que eu passei a questionar. O quanto de fato elas são eficazes?! sempre tive um canal aberto para as dúvidas das clientes, mas ainda assim faltava respostas para a questão central de todo o processo. E tudo isso nada tinha a ver com regras de moda, mas sim, com uma mudança interna, um novo olhar sobre si mesma, uma descoberta e autoaceitação.

Diante desses fatos, como eu posso continuar a trabalhar com a forma clássica da Consultoria de Imagem?! foi assim que eu passei a investir numa nova forma de fazer consultoria, onde toda criação de uma nova imagem, parte pelo interior da cliente. Ninguém consegue mudar a imagem que tem de si, mesmo sendo essa uma imagem visual, sem antes mudar internamente.

Sempre fiz as vezes de psicóloga das minhas clientes (no sentido de entender seus desejos), afinal o trabalho de mudança de imagem e quebra de paradigmas, sempre acontece com convencimento e bons argumentos, não é simples para uma pessoas que durante anos se veste de um determinado jeito, mudar para outro, sem que isso não mexa com suas emoções internas.

Foi nesse momento que, as regras de Consultoria de Imagem passaram a não fazer mais sentido pra mim. Do que adianta todas elas, se a mudança acontece de dentro para fora?! isso sem contar que essas mesmas regras não são sinais de “satisfação fashion” ao final de uma consultoria, eu não posso proibir uma pessoa de quadril largo a usar uma saia lápis, porque simplesmente não se encaixa no seu biotipo – Kim Kardashian, que o diga – ela está aí pra dizer o contrário, para mostrar que regras são feitas para serem quebradas, pra dizer que a moda e a imagem que você pretende passar para o mundo, faz parte da sua autoestima e de como você quer ser vista por ele.

E, é, essa a minha missão daqui pra frente, eu deixo as regras de lado, para entender suas necessidades pessoais, obviamente que as dicas serão bem vindas, mas o que realmente interessa é alcançarmos o propósito, entendendo seus medos, inseguranças e ajudando a criar a sua nova imagem. Baseada nos meus estudos de Coaching Holístico, que são norteados pela filosofia da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), os obstáculos pessoais e emocionais são aliados poderosos responsáveis pela energia de transformação e desenvolvimento do potencial de cada um de nós. Podemos utilizar esse mesmo conceito no quesito da criação de uma nova imagem, seja ela privada ou profissional.

A coisa mais importante na Consultoria de Imagem 
é ouvir o que não está sendo dito.

Pela definição da palavra Holística, entendemos que ela procura compreender os fenômenos na sua totalidade e globalidade, ou seja no âmbito da consultoria, vamos analisar a imagem não apenas como uma forma de expressão de um vestuário, mas sim como resultado emocional dele. Sem regras, dessa maneira acredito que o despertar para uma nova visão de si mesmo, pode ter um resultado muito mais eficaz nessa relação entre cliente e consultora.

Essa relação sempre foi muito próxima do meu cliente com o meu trabalho de Consultoria de Imagem, agora ela será feita para o seu autoconhecimento e a sua autoaceitação pessoal. Juntas. Ter consciência do seu potencial é a sua verdadeira imagem.

Vai ter foto de biquíni, sim senhora!

Desde que eu soube que iria para a Grécia este ano, uma ideia fixa adentrou na minha mente, mente esta que eu tento domar diariamente quando sou tomada pelos meus pensamentos negativos. Aliás, se emagrecer dependesse do exercício diário do pensamento positivo + um punhado de autoestima, nada nos deteriam nessa vida, porque ser mulher é travar uma luta diária com seus piores pesadelos/fantasmas estéticos.

Voltando a problemática da viagem, caí na estupidez da comparação, depois de anos na terapia me peguei comparando os corpos de quem iria para essa viagem. Coisa mais I-D-I-O-T-A que eu fiz. Simplesmente, comecei a entrar na nóia e a ter pensamentos de como emagrecer em tempo recorde até, a viagem. Devo confessar bem no íntimo que, a minha vontade de desfilar um corpo fitness pelas areias de Mykonos, sempre foi bem menor do que a minha vontade de me sacrificar tanto gastronomicamente falando, quanto correndo na esteira. Não adianta, faço ginástica por saúde e bem estar. A parte estética sempre foi meu último, dos últimos apelos para entrar diariamente na academia.

Pois bem, dias antes de aterrisar no meu destino paradisíaco, estava eu (ainda que) andando de bicicleta pelas ruas de Berlim, coberta por roupas de verão, devidamente me esbaldando nos vinhos diários a cada refeição, quando começo a ver via Instagram uma parte da turma que, já estava por lá. Fotos de corpos sarados e bronzeados começaram a desfilar no meu feed. Holy Shit, e, eu aqui comendo todos os pãezinhos do couvert.

No primeiro momento pensei, eu não tiro nem a pau o meu caftã na frente dessa turma toda. No segundo momento, comecei a pensar em como isso era bobo, comecei a lembrar das minhas musas que passaram a desfilar suas inseguranças e suas “imperfeições” sem medo, afinal um pedaço a mais de gordura aqui ou ali, o que importa?! quem vai me criticar, que o faça, não dá pra viver se preocupando com o que pensam da gente, sim, porque a minha preocupação estética até aquele momento, era muito mais em relação aos outros, do que a mim mesma. Eu, honestamente não estava me achando isso ou aquilo, tomei como base os outros, uma grande cilada.

Foi então que eu relaxei. Eu tenho barriga, ela não 
é chapada, e, isso não é um problema.

Passei uma vida me incomodando com ela, quanto tempo desperdiçado, quanta energia perdida por conta de um pensamento fixo. O pior é ver que acabamos influenciando negativamente quem esta por perto – minha filha, no caso – dias desses ela me calou, me tirou todos os argumentos da minha boca, foi quando ela reclamou do seu peso e eu disse “Quanta bobagem da sua parte, você está ótima”. Na mesma hora, tomei uma de direita e uma de esquerda “Você sempre reclamou da sua barriga, agora que eu estou reclamando da minha, você fala que é bobagem”. Toma Mãe, não dizem que os filhos aprendem imitando os pais?! se eu não passo confiança pra ela, como posso exigir isso dela?!

E foram, com essas duas experiências que, eu passei a ser mais gentil comigo mesma, e, principalmente com os outros. A tentar me cobrar muito menos, a deixar de me guiar pelos padrões pré-estabelecidos, a passar a admirar também os corpos de outras pessoas que não são exatamente pertencentes a esses padrões. Eu passei a me policiar internamente e me “auto-apontar” quando o meu reflexo imediatamente me diz que alguém é feio, gordo ou inapropriado, isso vale para os outros e também, para mim.

E foi assim, sem medo, sem nóias, que eu tirei uma foto de biquíni de corpo inteiro, devidamente postada no meu Instagram, para a posteridade. Vai ter foto de biquíni, sim senhora! Vai ter desfile pelas areias da praia, também! Viva a diversidade, ninguém precisa de nada para ir à praia, apenas um corpo, e, que, este seja do jeito que for. Simples.

Foto: @juaguiarbraga