#Nos40DoSegundoTempo

Falta 1 mês…

Todo ano é a mesma coisa, o verão vem chegando e, eu vou entrando na linha. Começa aquela vibe do corpo perfeito, das minhas dietas mirabolantes, das chamadas sensacionalistas (adoro), enfim tudo conspira a favor da nossa autoestima, sim, porque nessa época do ano é, só o que tem de mais importante na face da terra – adquirir o corpo perfeito.

As revistas especializadas e outras mídias em geral, tratam da chegada do verão como um evento único no mundo. Por isso, aqui vai um conselho – se você tem celulite e seu corpo está longe do ideal fitness, se esconda, use burca, mas não cometa a sandice de ir à praia de biquini – nunca, amiga. O corpo perfeito não é feito de imperfeições, sorry, ele é devidamente talhado sob a disciplina de muitas horas de treinos diários e muita dieta a base de whey protein, como eu faço sempre.

Eu simplesmente esqueço dos prazeres mundanos da vida. Aquele boteco de quinta-feira a noite cheio de frituras e muita cerveja gelada, não vale as minhas calorias, vão por mim. Afinal, o que é o prazer em devorar uma coxinha de frango com catupiry, seguida de um bolinho de bacalhau, finalizando com uma linguiça calabresa em troca de uma barriga sarada?!

Andar na praia sem canga – eita, frase clichê – é o melhor dos mundos, coleguinha.

A liberdade de vestir uma roupa sem que as dobrinhas fiquem esmagadas é surreal de maravilhoso. Então, se o verão se aproxima, deixe de lado todas as comemorações de confraternização Natalinas e afins. Foque. Continue firme com os seus treinos e com a sua dieta de frango ressecado desfiado e batata doce.

Antes de ser xingada, esse texto contem ironia em alto grau.

Continuando...

A recompensa valerá cada festa perdida, cada sobremesa rejeitada, cada gin tônica recusada, cada vontade reprimida e, quando o verão chegar…desfile pela praia como se fosse a garota do Fantástico. Você merece, afinal deixou de lado tudo de bom que a vida tem só para desfrutar desse momento mágico.

Se você tiver sorte, suas férias do trabalho podem chegar naqueles preciosos 30 dias pelo qual os trabalhadores do Brasil tem direito, agora se o seu chefe gostar muito de você, talvez ele deixe você tirar apenas 15 dias, mas não importa serão 15 dias na praia sem canga, se bem que, no ultimo verão choveu em alguns dias e, eu não consegui ir à praia todos os dias, portanto se eu tiver sorte acho que esse ano consigo desfilar por uns 10 dias.

Fazendo as contas aqui – detesto matemática, mas vamos lá mesmo assim – se eu desfruto uns 10 dias de verão e mais uns outros feriados aqui e acolá, chegando numa média de uns 20 a 25 dias de praia todo ano, isso quer dizer que minha coleção de biquinis apenas será usada (pra arredondar) 1 mês durante o ano. Como eu não tenho casa na praia, essa média faz todo sentido. Isso me faz chegar a conclusão de que, o resto do ano todo (11 meses), eu não uso a porra do biquini, mas me mato todo esse tempo por conta de alguns dias, é isso mesmo produção?!!!

Quer saber de uma coisa, eu quero que esse corpo perfeito vá se F*$#@. Eu não vou deixar de aproveitar 11 meses durante o ano me podando de todos os prazeres gastronômicos do mundo por uma bundinha sem celulites e uma barriga com gominhos. Não, eu não estou com inveja, admiro quem consegue, quem tem essa disciplina interna, quem sucumbi ao paladar, quem treina todo dia de manhã feliz e contente, quem tira todo carboidrato da alimentação, quem faz disso uma filosofia de vida, MAS isso não serve pra mim. Posso ser a garota do Fantástico do mesmo jeito, imperfeita, com barriguinha, celulites e bunda caída.

Não estou fazendo apologia para uma vida sem saúde, 

estou falando de diferenças.

Por isso, essa pressão tão exagerada e muitas vezes cruel, com quem não tem um corpo perfeito – principalmente nessa época do ano – deveria ser controlada, ou melhor não deveria existir. Cada pessoa tem um corpo único, isso significa que, basta para entrar no verão de corpo e alma. Ter um corpo é o suficiente. Podemos ter senso de humor quando se trata do nosso próprio corpo, o que não podemos é ter preconceito com ele e com o dos outros.

O Evento #Nos40DoSegundoTempo

Finalmente, chegou o dia do meu evento – #Nos40DoSegundoTempo – podem imaginar o grau de ansiedade, desta mulher aqui?! eu tive a mesma sensação da época em que eu fazia teatro, sempre quando eu estava na coxia, faltando alguns minutos pra entrar no palco, eu sempre me fazia a mesma pergunta “Raios, o que é que eu estou fazendo aqui?!”. A ansiedade era enorme, misturada com um pavor de esquecer o texto ou encarar o público que, fazia sempre a minha pressão interna aumentar.

Enfim, falar em público nem sempre é uma experiência muito simples, na verdade pode ser aterrorizante, ela se parece muito com uma representação artística, só que, (dessa vez) o meu caso não precisava de nenhuma fala decorada. Claro, eu me preparei muito pro sábado. Estudei, escrevi todo o conteúdo do bate papo, fiz um script bonitinho pra passar para todas as minhas convidadas, mas a verdade é: o nervosismo não dá uma trégua. Quando eu falei a primeira frase, aquela aflição do começo, passou, e, foi como se eu estivesse realmente conversando com as minhas amigas sobre as nossas questões, um legítimo papo de mulheres.

Pra quem ainda não se inteirou sobre o mote do projeto, ele tem a intenção de dar mais visibilidade para as mulheres que estão chegando, chegaram e passaram dos 40 anos. Você pode me perguntar “Mas o porquê desta idade especificamente?!”, simples, a mulher passa por um processo complexo de envelhecimento. Muitas mulheres nessa fase entram em uma crise existencial, a famosa crise dos 40, onde a gente passa a se questionar e a se perguntar se fizemos tudo o que gostaríamos de fazer, se ainda temos tempo pra fazer mais, enfim são questionamentos de quem está se aproximando de meio século de vida. Eu, 45 anos.

Parece longe, mas essa idade quando chega, bate, vem sempre num momento particular da vida de cada uma. Assim, como encaramos nossas próprias questões pessoais, internas à serem resolvidas, discutidas e porque não tratadas, nós também nos deparamos com a pressão extrema, a da sociedade. Essa é uma grande questão, falta a sociedade de fato,  absorver com mais gentileza nós mulheres consideradas hoje em dia: A “Geração Ageless”.

Não nos encaixamos mais na idade cronológica do documento, temos atitudes que independem dessa condição cronológica da vida. Nossa vontade é o que prevalece, independente do que os outros pensem, por isso, não vamos nos adequar, mas sim, adequar o olhar do outro,  incorporando essa mulher em todos os lugares, seja na moda, no mercado de trabalho, na academia, no lazer ou nas capas de revistas – tão esquecidas por esses veículos – que até escrevem sobre as mulheres de meia idade, mas não nos mostram em seus editoriais e capas.

Mas, qual foi a minha surpresa ontem (antes de terminar este post), uma das 3 capas da Revista Elle do próximo mês, estampa uma mulher de 72 anosGal Costa – realmente, um fato a ser muito comemorado, afinal tendo em vista que a média das mulheres desse tipo de publicação, fica na média de 26 anos (de uma maneira geral).

Parece que alguém da Marie Claire foi ao nosso evento, hein?!

Então, vamos falar mais dele…eu queria um evento informal, nada de palestras ou monólogos intermináveis. Por isso, eu precisava de um lugar gostoso e bem aconchegante, comecei a procurar e a pesquisar por São Paulo algumas opções. Cheguei no Vila Butantan, um shopping a céu aberto, feito de containers, com uma área muito legal de Food Trucks. Gentilmente e acreditando no nosso projeto, eles nos cederam o Bar De Lá De Cima, uma área simplesmente perfeita para o que eu precisava. Pronto, o lugar estava fechado.

No dia 28 de Outubro (sábado) às 14 horas, as convidadas começaram a chegar. Pra falar comigo sobre todas essas questões, eu convoquei um trio muito especial. A Dra. Elaine (endocrinologista), A JuOzaka (esteticista e cosmetóloga) e a Simone Gutierrez (atriz, cantora e bailarina). Cada uma na sua área, contando e explicando um pouco sobre as suas percepções a respeito do tema.

O bate papo rolou solto, existiu uma troca intensa de experiências entre todas nós, muitas convidadas (que na verdade nós consideramos amigas), se sentiram muito à vontade para contar um pedaço sobre a sua vida, onde boas e más situações se misturam. O fato de estarem às voltas com os seus 40 anos ou acima deles, contaram muito a favor nos seus depoimentos. Esse é o lado bom da sabedoria nessa idade.

Estórias que preencheram a nossa tarde e enriqueceram ainda mais essa debate de ideias e opiniões. Quebramos alguns paradigmas, falamos de machismo, padrões de beleza e a perfeição irreal, envelhecer de forma positiva, de como uma mulher gorda sofre preconceito no seu meio social e profissional, enfim falamos muito e vamos continuar falando, porque certamente esse foi o primeiro de muitos outros encontros.

Eu acho, por mais detalhada seja a minha escrita aqui, as imagens falam muito mais por mim. O dia estava perfeito, lindo, sem nenhuma nuvem no céu. Uma benção da natureza pra esse projeto de empoderamento feminino e amoroso, sim, sem amor a gente não chega a lugar algum, não é mesmo mulherada?!

Minha idade não vai se adequar aos padrões de beleza e comportamento, eles que vão se adequar a mim”

LuMich


Não faltaram os mimos...
 Obrigada à todas pela presença, esse foi o nosso primeiro encontro, ansiosa para os próximos...

		
		
			
			
		
	

Oi Meninas, oi João! #PapoNaPiscina

Oi Meninas, oi João. É assim que, geralmente começamos nosso papo diariamente no grupo. E, foi por conta desse mesmo grupo – onde apenas um afortunado pertence ao sexo oposto – que, eu fiz uma ponte aérea esse final de semana. Essa seria a segunda edição do #PapoNaPiscina das blogueiras Carla e Joana do Futilidades. Pra quem está de fora vendo apenas as fotos da festa, pode imaginar que um blog e suas respectivas blogueiras resolveram dar uma festa de comemoração, sim, também houve muita comemoração, mas acima de tudo, houve muita união e acolhimento. Nada seria possível sem essa combinação.

Não estou falando da união de uma categoria, até porque a grande maioria das meninas não eram blogueiras, mas sim leitoras de blogs e amigas. Estou falando de uma união de filosofias. Todas nós estamos lutando para quebrar aqueles velhos padrões (exclusivos) de beleza, paradigmas impostos, para dar voz a meninas e mulheres que sempre se sentiram excluídas de diversas maneiras, para ouvir e ser ouvida. Enfim, são tantas novas possibilidades, criamos novos contatos, novas formas de ajudar e ser ajudada, fazemos desabafos sofridos e desabafos felizes, nos acarinhamos e estendemos nossas relações de afeto à pessoas que, certamente nunca conheceríamos se não fosse por esse grupo. Nos unimos.

Carla e Joana entenderam, assim como eu, você e muitas outras mulheres, que esse modelo pré-estabelecido criado por uma sociedade muito preocupada com apenas ter e aparecer, estava dando sinais de esgotamento, distribuindo infelicidade, criando um distanciamento do verdadeiro valor da vida: ser feliz.

E, foi nessa hora que o #paposobreautoestima firmou seu pé. Onde tem demanda, tem procura. O sucesso desse grupo foi imediato, ele realmente é um movimento de ajuda mútua e puro amor. Mas vou deixar de lado um pouco todo o conceito por trás dele, vou falar mais sobre a festa. Quando recebi o convite delas (Carla e Joana) fiquei muito feliz, percebi o quanto o grupo me fez bem e o quanto eu pude contribuir para ele.

No dia, exatamente no dia, depois de dias maravilhosos de muito calor, uma nuvem inconveniente se aproximou do Rio de Janeiro e fez o tempo virar por completo. Pensei Seria o caso de adiarem a festa?!”, que nada, os planos continuavam todos firmes e fortes. Recebemos das meninas um comunicado, nenhuma chuva abalaria essa vibe. Dito e feito, vesti o meu maiô, meu shortinho de praia e segui rumo a festa. Foi um encontro atrás de outro encontro, muitos abraços e todas na onda praiana.

Uma das coisa mais louca da vida (e, dessa festa), foi encontrar as pessoas que, de certa maneira são tão íntimas de mim pela internet, só que dessa vez pessoalmente. Cara a cara. Confesso envergonhada, algumas eu não reconheci de primeira – sou péssima para reconhecer pela foto do perfil – a querida Giovana que o diga, cruzei com ela no elevador, recebi um abraço tão carinhoso e quase morri de vergonha, porque não a reconheci.

Obviamente, na festa percebi meu erro horroroso e me redimi. Aliás, essa pessoa é uma das maiores conselheiras do grupo, tem sempre uma palavra de carinho para todas nós. Nunca deixa ninguém no vácuo. Não posso esquecer de comentar sobre a Roberta, ou Beta para os íntimos. Uma das mais bem humoradas do nosso grupo, seu humor inteligente é priceless.

Enfim, encontrar a Carla e a Joana é sempre um grande prazer, as meninas estavam simplesmente radiantes, maravilhosas e iluminadas. Fizeram uma festa tão caprichada, repleta de mimos para todas nós, cheias de alegria, música da melhor qualidade e um alto astral contagiante. Isso sem contar no outfit praiano delas, as duas usaram uma saída de praia feita pela Adriana Meira, estilista baiana que fez um trabalho de colagem muito original.

As meninas contaram sobre a importância de alguns símbolos, como o diamante, um dos símbolos do Futi, além de uma rosa, que representa o poder do feminino e, assim receberam essa lindeza para usarem à beira da piscina. Sim, a chuva deu uma trégua e a festa se estendeu também para área da piscina, além do famoso Plano B, o interior do salão. Nada conseguiria nos deter, fazendo chuva, ou fazendo sol.

As Paulixxtaxxx com a Musa Carla!

 

As Paulixxxtaxx e a Diva Joana!

Quando eu comecei a dançar, só parei quando 
acenderam as luzes e a música acabou de vez.

A mulherada aterrissou de várias cidades do país, tiveram as mineira, as cariocas, (nós) as paulistas, enfim tiveram de um tudo. Meu SQUAD paulista era composto por: Ana Paula, Raquel, Fê, Pati e Lis. Todas nós nos conhecemos no primeiro encontro do Papo em São Paulo, um picnic delicioso.

Entre nós, temos a Raquel que é a nossa brownie cook, suas delícias podem ser encontradas AQUI. A Fê arrasa nas bijous AQUI. Pati é a nossa professora. Já, a Lis além de garota da TI (tecnologia da informação) é uma blogueira undercover AQUI – a garota, arrasa nos textos. Seu post sobre a nossa festa na piscina é uma declaração de amor e generosidade.

S.Q.U.A.D.

Preciso falar do João. Esse presente da internet é amigo da Cá, da Jô, e meu amigo também, há alguns anos. Anos atrás fazíamos parte de um pequeno grupo fechado no Facebook, onde falávamos de tudo e mais um pouco. O grupo se acabou, mas nossa amizade não. Agora, o mais curioso é a parte onde eu NUNCA havia visto (pessoalmente) o João.

Sempre tentamos nos encontrar, uma vez ele foi à São Paulo, mas eu estava viajando, enfim nunca calhou desse encontro sair do virtual. Dias antes da festa, ele descobriu que eu estava indo, imaginem a nossa felicidade quando eu finalmente o vi – meti logo um abraço, que durou uma eternidade. Sim, ele é o único homem autorizado a participar do grupo, privilégios de uma pessoa incrível.

Eu & Ele

Amanheceu, com a água da chuva e anoiteceu com água da piscina. Tchibum!

Assim, foi a minha ponte aérea...  

Mulherada unida!

Fotos: Gabriela Isaias (arrasou!!!)