#Nos40DoSegundoTempo

Workshop – Menopausa

 

Hoje quando eu acordei, já sabia que durante o meu dia, teria que reservar um tempo para eu me concentrar, logo mais faria um workshop sobre um tema tão presente na minha vida – Menopausa – junto das minhas fiéis companheiras Dra Elaine (minha endocrinologista) e Ju Ozaka (minha esteticista), juntas, #Nos40DoSegundoTempo, nós 3 teríamos a tarefa de dar um apanhado geral sobre o tema, para uma platéia muito especial.

Nada mais, nada menos que as atrizes e a produção da versão brasileira do musical da Broadway que, traz justamente, o tema do meu momento tão particular e de outras tantas mulheres. Foi numa conversa informal e muito descontraída, afinal falar sobre a Menopausa nossa de cada dia, deve ser um assunto (apenas) sobre uma fase específica na vida de cada mulher e, não mais um tabu, como foi no passado, onde essa palavra causava arrepios e resignação em muitas de nós.

Menopausa muitas vezes está associada à velhice. Fato. Todas nós envelhecemos, outro fato, mas a Menopausa na realidade marca o fim da fase reprodutiva feminina. Assim como na menstruação que marca o início, essa marca o término. Ok! Essa é a narrativa. Na realidade passamos por um turbilhão de emoções.

E, foi esse o meu gancho pra tentar mostrar que a narrativa dessa fase anda em descompasso com os nossos sentimentos. Como mulher somos cobradas a exaustão para nos mantermos jovens e atraentes, nossa, “Existe tarefa mais árdua que essa?!”. Isso significa o mesmo que pedir para um cachorro filhote continuar filhote pro resto da vida, caso contrário, ele perde a graça e, pode ser abandonado pelo seu dono. “Parece cruel né?!” mas porque a nossa sociedade permite que isso aconteça com nós mulheres?! Aliás, porque permitimos esse comportamento da sociedade?! eu acho que passou da hora de juventude ser dissociada de beleza, assim como a velhice ser associada a invisibilidade feminina.

Somos condicionadas a perseguir a juventude eterna e, quando a Menopausa bate à nossa porta, lá vem o baque e a pergunta que não quer calar “O que eu faço?!”. Nada colega, apenas aprenda a conviver da melhor maneira possível com essa “intrusa” inconveniente. Não ceda as pressões externas para se opor a natureza. Será uma tarefa hercúlea e ineficaz. O caminho para uma vida “menopausada” com equilíbrio é o autoconhecimento. E, a aceitação do inevitável.

Toda fase (no fundo) tem seu lado bom, o da Menopausa é ligar o foda-se. É, não dar tanta importância para os outros e suas opiniões. É, saber rir do que um dia funcionava com precisão e, hoje não mais. Ninguém está falando pra entregar os pontos, acabou, estou falando de liberdade. De olhar pra si própria, de se conhecer a fundo até saber aonde se deve ir e como pra enfrentar a Menopausa e tudo que ela traz consigo da melhor maneira possível.

Hoje passado um ano da minha “sentença de morte”, vejo o quanto subestimei a mim e superestimei a Menopausa. Nada foi tão difícil que eu não consegui dar um jeito, como também nada foi definitivo que eu não tivesse ajeitado a meu favor. São novas situações e novos aprendizados.

Nos dias de hoje, temos informações e tratamentos para melhorar a nossa qualidade de vida, não precisamos sofrer, não precisamos nos entregar, precisamos é nos acostumar e reverberar pra sociedade que, uma mulher na Menopausa não precisa se esconder, ela precisa ser aceita, porque não tem nada para aceitar, ela precisa se sentir otimista ao invés de se sentir pessimista.

Um ponto muito interessante debatido durante o workshop foi que, a peça da Broadway retratava as mulheres na Menopausa de uma forma como se elas fossem caricaturas de si mesmas, como mulheres velhas falando de seus problemas. Não, mulheres mais velhas não são caricaturas de si mesmas, somos mulheres de meia-idade, maduras que precisam de apoio, um olhar carinhoso e principalmente, espaço para debater todas essas questões. Nada de “sentença de morte” ou deboche. Menopausa não é contagiante, Menopausa é um estado de espírito. Use a seu favor.

E, assim como um mantra, eu repito e grito para quem quiser ouvir (ou não) “Eu estou na Menopausa, bebê”. FIM.

Carta à minha filha, Cora

Temos tantas maneiras de fazer uso do nosso direito de fala neste dia 08 de Março que, às vezes não sabemos ao certo de onde começar, por isso vou começar do começo, do ponto de partida, do momento em que você nasceu.
Sou sua mãe, sou mulher assim como você, e, tenho expectativas (algumas reais, outras nem tanto), em relação ao seu futuro, como todas as mães desse planeta.

Parir uma menina, tem uma responsabilidade ainda maior – não falo em termos de amor – falo em termos de igualdade.

Desde sempre, a cada dia, me corrijo e me policio para não repetir o machismo intrínseco que me foi passado por gerações, a cada conflito entre você e seu irmão, procuro analisar se agi por impulso, justiça ou puro machismo. Sou uma feminista em desconstrução, por isso meus antigos hábitos, por vezes me enganam, me dão aquela rasteira marota, o costume é como um vício à espreita.

Fazer de você uma mulher, vai muito além do velho clichê, ele esbarra com a dura realidade da nossa sociedade. Lutar por inclusão, por igualdade e por respeito ✊ é o meu norte, passar esse legado pra você de uma maneira equilibrada, assertiva e justa, é a minha meta.

Eu não te transformo, é você quem se transforma através dos meus exemplos e dos exemplos da sociedade, por isso reflita até onde eles se encaixam nas suas verdades. Não abandone um sonho pelo seu gênero, não tema a fala agressiva da falsa superioridade deste mesmo, e, principalmente nao recue, siga sempre em frente.

Hoje, as questões sobre o feminino e feminismo estão a nossa disposição, se você pode mais, reconheça seus privilégios e tenha empatia pelas mulheres que não os tem. Lute por elas, por nós e por você. Não esmoreça se parecer difícil, tome um fôlego e continue…o mundo precisa da mulher que vive dentro de você!

Mamãe

O sexo da mulher de 40

Na minha época de escola não existia essas modernidades de aula de educação sexual, que pena, fico imaginando quantas de nós passamos apuros por falta de informação e pura ignorância. Falar sobre sexo abertamente não era tão simples assim, eu e minhas amigas hoje em dia somos o oposto do que éramos na adolescência. A gente conversa e, conversa muito sobre sexo, falamos de sexo sem tabus, fazemos descobertas íntimas, trocamos dicas sexuais, mas o que é mais importante nessa roda de conversa, foi aprender que os sexo faz parte da saúde feminina.

Com a chegada dos 40 anos, nada mais natural do que tirar algumas MUITAS dúvidas com quem fala da maneira mais simples e descontraída do universo, uma sexóloga. Marina Vasco além de, minha amiga é também psicoterapeuta e sexóloga, especialista em questões dos universos feminino e masculino. Um fera no assunto. Ela fala de sexo com a mesma naturalidade com que, fala sobre os preço dos alimentos no mercado, isso faz com que a gente não sinta envergonhada e a nossa timidez logo desaparece, dando início aos assuntos mais “picantes”.

A Marina sempre me falou sobre a diferença entre a mulher e o homem, em relação ao sexo “Dizemos que a mulher tem o desejo mais responsivo e o desejo do homem é mais espontâneo”ou seja a gente precisa de mais estímulos do que eles. Será que com a chegada da meia idade, nós mulheres vamos perdendo o desejos sexual?! como nos sentimos em relação ao nosso corpo nu?! as perguntas eram muitas, por isso, eu resolvi gravar um vídeo com ela, pra gente começar a falar um pouco sobre essas questões.

Assim, surgiu o primeiro vídeo da 1* Temporada do #Nos40DoSegundoTempo sobre as questões femininas das mulheres dos 40 anos de idade. Na verdade o vídeo vale para todas nós mulheres, enfatizei mais no fator da idade, simplesmente porque vive esta idade, tenho dúvidas, tenho receios e queria fazer essa troca com vocês.

MULHERES

Em um estudo, publicado no periódico científico The Journal of Sex Research, podemos observar as vantagens da idade.

“Foi apontado que, apesar da frequência sexual ser reduzida, as mulheres disseram que suas vidas sexuais melhoraram com a idade. Segundo um estudo apresentado no Congresso da Sociedade da Menopausa da América do Norte, de 2016, isso pode ter relação com o fato de as mulheres heterossexuais sentirem-se mais confortáveis sexualmente com o passar do tempo, tanto pela autoconfiança como pela comunicação com o parceiro, em relação aos primeiros anos de vida sexual.

Em outras palavras, com o tempo, as mulheres tendem a se concentrar menos na frequência e mais nos aspectos emocionais e íntimos do sexo – ou até no conhecimento do próprio corpo.

Para os pesquisadores, a idade permite que os parceiros se concentrem mais na quantidade e qualidade do sexo do que na frequência. Afinal, o sexo mediano pode levar à insatisfação sexual em um relacionamento, enquanto uma relação de qualidade, mesmo que de vez em quando, pode ser mais efetiva”.

Lá na época da minha adolescência, onde a troca de informações fez falta para muitas meninas, eu não queria chegar nessa fase sem elas. Por isso, para as mulheres de hoje, um pouco mais de informação sobre sexo.

Assistam ao vídeo, compartilhe e se inscreva no meu canal. Com vocês: Marina Vasco & LuMich

Direção e Edição: Wellas Diniz