Cindy Sherman no MoMA

Por uma coincidência do destino daquelas…eu encontre a minha amiga fotógrafa, Rebeca Figueiredo em plena Nova Iorque – e olha que nada foi previamente agendado.

Nosso destino foi certeiro – MoMA – exposição da também fotógrafa, Cindy Sherman.

Confesso que não conhecia o seu trabalho, acabei me apaixonando pela dramaticidade de suas fotos autobiográficas.

Cindy é a sua própria modelo, sua capacidade de criar personagens e explorar seus tipos é impressionante.

Essa exposição, é certamante a minha melhor dica —  juntamente, com uma parada estratégica em um dos 3 restaurantes e cafés do MoMA.

Cartaz da exposição

Cindy Sherman e suas personagens

1977

2008

1981

1989

1983

Eu e a Beca no Terrace do MoMA

Um pouco de descanso…um pouco de comida!

Fotos: DQZ

Um dia inteiro no SPFW

Ontem, foi o último dia do SPFW e dessa vez ao invés de looks eu resolvi contar a rotina de quem trabalha por lá nos 6 dias do evento, que tem hora para começar, mas não para terminar…

1:30 — Almoço com a editora do site FFW Camila Yahn

Comecei o meu dia almoçando no restaurante do MAM com a Camila Yahn, editora-chefe do site FFW, que tem a tarefa de assistir todos os desfiles e em seguida escrever sobre tudo o que viu em poucos minutos para atualizar o site.

A Camila não para literalmente, é um vai e vem o tempo todo.

Ela chega na sala da FFW, de lá passa no backstage do estilista Alexandre Herchcovitch pra se adiantar ao desfile, volta pra sala e escreve mais um pouco, vai para o próximo desfile, senta para escrever e assim é seu dia.

Durante um lanche no meio da tarde de cinco minutos, ela me contou todas as suas impressões sobre a semana e quanto precisava dormir, afinal além dessa maratona super cansativa, ela tem um casal lindo de filhos.

Camila Yahn

4:00 Entrevista com a consultora de imagem Bia Paes de Barros

A consultora de imagem Bia Paes de Barros, me atendeu para uma conversa no lounge da revista Caras, onde ela escreve uma coluna semanal e artigos para a revista.

Bia conta que nesta edição não tiveram grandes novidades principalmente nas formas, diz que a próxima silhueta será mais ajustada e elegeu o desfile da Triton como o que mais chamou a sua atenção pela proposta jovem.

Suas apostas:

  • Saia lápis (sensual e a brasileira gosta)
  • Comprimento mídi (um pouco mais curto que nos desfiles)
  • Tons terrosos (mais para os amarelos fortes)
  • Mistura de materias, como renda e couro
  • estampas geométricas (com textura e mais indefinidas)
  • Scarpim (não tão fino e com salto médio)
  • golas fechadas ( até o último botão)
  • colarinho de outra cor (para as mais jovens)

Bia, alerta para o vestido reto de comprimento no meio da batata da perna, sem decote e sem cintura que algumas marcas desfilaram, ela diz ”  Isso não valoriza o tipo físico de ninguém”.

Bia Paes de Barros

5:00 Desfile masculino do estilista Alexandre Herchcovitch

O desfile do estilista foi inspirado na vestimenta dos judeus ortodoxos e para explicar todos esses elementos judaícos do desfile que eu assisti, deixo na íntegra o texto da editora Camila Yahn, que explica em detalhes todas essas referências de Herchcovitch.

– As listras e os tons da coleção remetem ao Talit, o xale que os homens usam para rezar.

– As mangas e luvas listradas de preto vêm do Tefilin, amuleto de couro que é amarrado no braço e na mão diariamente na hora da reza. Desde o barmitzvah os meninos passam a usar.

– Os cintos são uma referência ao Gartel, faixa que se usa por cima dos casacões de inverno.

– Alguns looks ainda levam o Shtraimel, tradicional chapéu de pele que faz parte do costume ortodoxo.

– A série de looks brancos, preferida de Ianes, remete ao Na Nach, uma ramificação do judaísmo ortodoxo que não se vê muito no Brasil. O grupo é conhecido por celebrar a alegria, o que é percebido também na trilha sonora, que usa uma nova banda israelense Oy Division (isso mesmo), com sonoridade festiva e folclórica.

– Ao contrário da coleção feminina, a masculina é mais comercial e “pé no chão”. Por trás da referência judaica e das sobreposições, há camisas, bermudas, paletós, casacos e calças com o DNA de Herchcovitch e com a modelagem que define os próximos padrões da roupa masculina contemporânea.

 

Desfile Alexandre Herchcovitch

6:00 Encontro com os fotógrafos Gabriel Cappelletti e Rebeca Figueiredo

Os fotógrafos Gabriel e Rebeca são fotógrafos do espaço Make B do lounge do Boticário na Bienal. Sua tarefa é fazer um registro de todos que passam pelo lounge, por isso eles andam uma pequena maratona diária.

Gabriel Cappelletti

Rebeca Figueiredo

Aproveitando essa conversa entre fotógrafos, é claro que não poderia faltar o meu look SPFW clicado por eles.

LuMich – SPFW

LuMich veste: vestido Marc by Marc Jacobs, sandália Miu Miu e colar acervo pessoal.

7:00 visitando as instalações do SPFW

Cada pedacinho da Bienal tem uma atração diferente, além dos vários restaurantes Piolla, Abit, Maní, entre outros.

Os lounges são uma atração a parte, mas em muitos deles só sendo convidado para poder entrar e aproveitar.

Pop-Up Store

Vários achados…eu achei um anel maravilhoso do Raphael Falci!!

Espaço Melissa

Você pode retirar uma senha e concorrer a uma Melissa

Exposição Universo Criativo

Um panorama dos melhores estilistas

8:00 Entrevista com Rogério Hideki

O cenógrafo Rogério Hideki do Estúdio Árvore, foi quem seguindo as direções do idealizador da Semana de Moda de São Paulo, Paulo Borges, concebeu todos os espaços para criar uma sensação de unidade.

A cor preta escolhida e os milhares de hexágonos distribuídos pelas paredes da Bienal, levaram 3 semanas para serem concluídos.

Eles foram responsáveis por toda esta atmosfera de unidade entre os espaços em comum do SPFW.

9:00 Eu digo adeus a mais esta edição do SPFW e tomo o rumo de casa ( meus pezinhos agradecem)!!

Fotos: DQZ by LuMich