PEANUTS FOR ALL

“Vindo da linhagem dos costureiros, dedicado ao glamour e à sofisticação dos vestidos de festa e noivas, é curioso descobrir a verdadeira personalidade deste criador, visto de perto. A maneira como constrói suas roupas evoca um repertório muito particular, ainda que próprio da moda: o estilista pesquisa tradições têxteis que sobrevivem entre povos do Peru, da Guatemala, do Tirol e do sudoeste da China. Assim, dialoga com seus pares na construção sólida de seu estilo, que se supera a cada estação. Mesmo dono de uma carreira excepcional, Walter é generoso e se dedica a projetos sociais e de educação por todo país”.

Este é o prefåcio do jornalista Mario Mendes no livro sobre o estilista, considerado um dos grandes da moda brasileira, recentemente anunciou sua aposentadoria das agulhas, para se dedicar a novos projetos como – o Fórum de Inspirações da Assintecal.

Agora, diante de tão importante apresentação e importância na moda, o Sr. Rodrigues dia desses resolveu debochar da classe que ultimamente anda incomodando e crescendo mais do que qualquer outra no meio – as blogueiras.

O tão famoso LOOK DO DIA incomoda como nunca a ala mais conservadora dos meios de comunicação, apesar de ser ele o carro-chefe de muitas blogueiras, é verdade que entre nós existe quem não tenha noção, ou quem não tenha mais do que só isto para apresentar aos seus leitores.

Agora, daí para dizer que somos apenas um bando de retardadas exibicionistas, está muito longe.

Linkando este deboche com outra grande polêmica durante a Semana de Moda, entre a jornalista SUZY MENKES & BLOGUEIRAS, esta resolveu também soltar o verbo sobre a classe, neste texto AQUI no T Magazine.

A Senhora Menkes com o sugestivo titulo “Fashion Circus”, começa a tecer seu terço de desaprovações a respeito do que para ela se tornou a moda – um grande circo.

Em seu tempo áureo, ela afirma: “Nós já fomos chamados de corvos pretos, nós, fashionistas, reunidos em frente a um prédio abandonado vestidos no nosso uniforme Comme des Garçon ou Yohji Yamamoto. De quem será esse funeral”, os passantes cochicham, enquanto nós esperamos em fila para as apresentações descoladas e underground lá nos anos 1990″.

Bem diferente da sua análise do presente: “Atualmente, as pessoas que se aglomeram do lado de fora dos desfiles são mais pavões do que corvos. Elas posam em seus vestidos de padronagens múltiplas com plataformas ou botas que sobem até as coxas” disse Menkes.

Bom, no frigir dos ovos, assim como o Sr. Rodrigues, a Senhora Menkes é também uma critica da “invisão” da blogosfera no mundo da moda.

Contudo, blogueiras de reconhecimento mundial como Susie Lau do Style Bubble e Leandra Medine do The Man Repeller saíram em defesa da classe.

Os textos estão na íntegra AQUI e AQUI.

Susie afirma “Eu me sinto envergonhada quando digo que tenho um blog. Dependendo da pessoa com quem estou falando, eu tenho que adicionar: Ah, sim, e eu escrevo para outras publicações também, só para sentir que isso me posiciona como uma pessoa que não é uma fraude”.

“Nós podemos falar do início, quando os blogs de moda eram “bons e puros”, mas me lembro que nessa fase eu mandava e-mails para os PRs ou designers e era ignorada”.

Já Leandra concorda, “Menkes está certa. A moda está mudando e rapidamente. A indústria não pertence mais somente a um grupo exclusivo de pessoas e abriu espaço para grupos amadores. Algumas vezes esses espaços rendem movimentos novos e interessantes, outras não”.

E rebate “Cargos de moda tradicionais estão cada vez mais distantes. Talvez Menkes não entenda isso, mas tudo bem. Ela não precisa. Mas há uma razão pela qual a Generação Y é chamada de Geração Empresarial. Muitos de nós não tivemos o emprego que queríamos, então nós abrimos nosso próprio espaço. Certamente, o aprendizado não é tradicional, mas minha geração é brilhante; nós somos super educados e super qualificados para os trabalhos que fazemos”.

Muitas destas questões entre a “velha guarda” e a “nova guarda” irão se confirmar com o tempo, mas não se pode mais negar que é um fato a influência das blogueiras no cotidiano da moda.

Lamento dizer aos senhores que este movimento é irreversível e prefiro encerrar mais este post com a dedicatória nada retrograda de uma das personalidades da moda de ontem e de hoje a Editrix Carine Roitfeld, feita para mim no livro “Irreverent”, que diz o seguinte: ” YOU ARE THE FUTURE OF FASHION”.

O tempo dirá…

* Ah, só pra deixar registrado, EU adoro uma coroa!!! rs…

Fotos: DQZ e Reprodução

Qual é a sua marca registrada?!

Nos dia de hoje, com a globalização, sabemos de tudo e de todos em instantes. Se uma bolsa vira hit do momento ou uma tendência é lançada, em questão de dias podemos observar nos blogs de moda, revistas, street style  e a nossa volta todo esse movimento.

Agora, como fazer para se diferenciar de toda essa cultura de massa?! Existe saída para quem apenas quer ser único?! Valentino, em uma entrevista, afirma: “A Internet devora a moda num único segundo, torna tudo obsoleto e ultrapassado no momento em que você cria as peças”.

Falar de exclusividade na moda é quase um palavrão, (ainda mais em tempos de falsificações), portanto o que faz uma pessoa ser única é, sem dúvida, a sua marca registrada. E foi por causa de uma pessoa que tive a ideia de escrever esse post: Suzy Menkes, a toda poderosa editora de moda do Internacional Herald Tribune.

Suzy discute a moda sob o ponto de vista cultural, econômico, histórico e artístico, mas além de sua competência como profissional, quem a vê uma vez nunca se esquece. Sua imagem é marcante e seu topete sua marca registrada.

Desde de sempre ela optou por um cabelo simples e fácil, que ela mesma pudesse arrumar em qualquer lugar do mundo. As tendências e a moda a seguem, não o contrário.

São poucas as pessoas que conseguem esse prodígio na vida. E você?! conhece alguém assim ou tem uma marca registrada?!

Fotos: Reprodução