Shirt Dress para o verão e inverno

Sabe como é mulher, né?! Não perde uma oportunidade de fazer uma comprinha, mesmo entre uma conexão de avião.

No aeroporto de Heathrow, em Londres, que é um parque de diversões para qualquer mulher, eu, literalmente em 10 minutos, consegui experimentar e comprar um vestido da marca Thomas Pink.

Essa marca é mais conhecida pelas camisas masculinas, que são clássicas e estilosas ao mesmo tempo, mas a parte feminina não passa em branco, sendo uma surpresa.

Não vá esperando ver roupas de tendência ou muita variedade, o negócio deles é camisaria e aqueles vestidos chamados shirt dresses.

Como eu já tinha um, só que com a manga 3/4, resolvi comprar um sem manga, na cor café.

Esse vestido é um típico curinga, super versátil e perfeito para aqueles dias sem muita inspiração, funcionando super bem.

Para ter certeza que eu tinha feito uma boa compra, (super fast) e não de impulso, criei dois looks com o mesmo vestido — um para o verão e o outro para o inverno.

Look shirt dress para o verão

Detalhe da bolsa Céline

Look shirt dress para o inverno

LuMich veste:

Look Verão/shirt dress Thomas Pink, sapato Charlotte Olympia, bolsa Céline e colar 3:AM

Look Inverno/shirt dress Thomas Pink, bota Daslu, colete Canal, clutch Jimmy Choo e colar 3:AM

Fotos: DQZ by LuMich

Inauguração @_Martha Medeiros

Loucura!!! É a palavra certa para descrever a inauguração da loja da queridissíma Martha Medeiros, nos Jardins, em São Paulo. O buchicho foi grande na porta da nova loja, que estava linda e cheia de personalidades famosas.

Cada mulher que entrava desfila seu vestido Martha Medeiro à tiracolo.  A alagoana Martha é famosa por sua renda Renascença, um trabalho manual que demora dias para se conseguir finalizar um único vestido.

Nossa estilista conseguiu recentemente o feito de vender 40 vestidos de alta-costura exclusivamente para a loja de departamentos chiquérrima de Nova York Bergdorf Goodman e, com isso, será a primeira brasileira a ter um desfile no Evening Wear em Feveriero de 2012.

O sucesso de Martha se deve ao seu empenho e ao fato de transformar a tão “comum” renda Nordestina em um item fashion, agregando valor e informação de moda.

Sua logística de trabalho conta com ínumeras artesãs, mais especificamente 250 mulheres espalhadas por cidades de Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Piauàe Ceará. Seus vestidos têm valores elevados e, mesmo assim,  Martha, em parceria com a Riachuelo, assinou uma linha de roupas populares onde o DNA da sua marca, as rendas, estão presentes numa coleção acessível de fast fashion.

Algumas personalidades que passaram pela loja

Tania Khalill, Martha Medeiros, Tainá Muller e Vera Viel

Tania Khalill

Luisa Micheletti

Tainá Muller

Vera Viel

Daniela Albuquerque

Constanza Pascolato

Fotos: Rodrigo Zorzi (divulgação) e Manuela Scarpa

O talento de Martha Medeiros

Martha Medeiros herdou da avó, professora de arte, a paixão  pelo artesanal, e seu trabalho se diferencia por resgatar o luxo das tramas feitas à mão.

Para cada peça são horas de trabalho manual, fio a fio, unidos a técnica de modelagem e estilos adquiridos com sua formação em moda.

Aproximadamente 250 mulheres, organizadas em cooperativas de rendeiras em pequenas cidades, às margens do Rio são Francisco, em Alagoas, estão envolvidas no processo de confecção de rendas como a Renascença, a mais tradicional de todas, além de outras técnicas como: filé, richilieu, bilro e a delicadíssima renda Boa Noite, hoje confeccionada apenas na Ilha do Ferro, no meio do São Francisco, a 320 km de Maceió.

Martha se inspira na delicadeza da renda, criando peças que são verdadeiras obras de arte. Ela utiliza as técnicas de costura mais sofisticadas, completando com horas de trabalho manual, a fim de assegurar a cada peça um acabamento perfeito.

Junto à renda renascença brasileira, apenas os mais nobres materiais são usados em peças de vestuário, tais como musseline de seda, tule e renda francesa, barbatana de silicone alemã e crinol suíço.

Coleção Nova Iorque

Coleção Renascença

Coleção Alagoas

Fotos: Reprodução