#Nos40DoSegundoTempo

Um casamento em NOLA

Não estava nos nossos planos de viagens (de família), mas eis que surge um nome. Eu, logo me interessei pelo desvio de rota, da Costa Oeste para o meio dos Estados Unidos. Nunca pensei em fazer uma viagem para New Orleans. É verdade, eu sempre tive muita curiosidade em conhecer essa cidade, por inúmeras razões, seja pelas suas origens do jazz, pelas histórias da Guerra Civil, o filme 10 anos de Solidão, o trágico furacão Katrina ou o famoso Mardi Gras, vários eram os motivos pra eu querer conhecer a cidade, mas nenhum deles havia me feito querer tanto pra que eu planejasse uma viagem por lá

E, de repente o motivo que faltava surgiu, tínhamos sido convidados para um casamento, entre uma brasileira amiga do Beto, com um americano de Miami. Nenhum dos dois moravam ou tinham familiares em New Orleans, mas porque, então iriam se casar em um lugar tão peculiar como NOLA ?!

Simplesmente, porque a cidade é pura festa e, assim também são os noivos.

Esqueçam as grandes produções nababescas do nosso país, com essas festas para milhares de pessoas e, decoração de flores do chão até o teto, nada de ostentação, somente a simplicidade de uma comemoração feliz entre amigos e família. Aqui é assim.

Tudo começou pela pequena cerimônia na área externa do restaurante, foram justamente os amigos  – os celebrantes desse momento – eles quem conduziram o ritual (sem frescuras ou discursos longos e enfadonhos chatíssimos). Adorei essa quebra de regras, essa ousadia de criar um novo ritual tão particular e intimista.

Em seguida, chegamos no ponto alto da festa, quando o ritual volta para o tradicional – aos moldes da cidade e suas tradições – a noiva e o noivo convidam seus amigos para festejar toda essa alegria e a nova união, literalmente do lado de fora do salão, ou seja na rua.

Uma banda estrategicamente nos aguardava na porta do restaurante, já tocando e chamando os convidados para se juntarem aos noivos, como numa peregrinação ou numa ala de escola de samba, saímos dançando pelo rua. Que energia.

Fomos devidamente escoltados por policiais, um batedor de moto não deixa que o fluxo desandasse, somos observados de perto pelos transeuntes curiosos que, neste momento passam a aplaudir a noiva, o noivo, mandando beijos, assobios e gritos de boa sorte, felicidades e muito amor. Alguns se arriscam a dançar conosco, outras pediam selfies com a noiva, que prontamente atendia aos pedidos. Ela estava vestida com um longo branco liso divo, complementado por uma capa chiquérrima e, uma casquete no cabelo a lá década de 50, era puro estilo.

Foi uma volta por alguns quarteirões, mas o suficiente pra animar os convidados e as pessoas que estavam na rua naquele momento. E, tudo o que precisou foi, um batedor de policia controlando o trânsito e muita felicidade, além da ginga no pé, não é mesmo?! mas nesse quesito, os convidados Made in Brazil deram um show à parte. Sorry, gringos…

Voltando para o restaurante, nos despedimos da banda e, em seguida foi servido um brunch. Toda essa simplicidade fez desse casamento um dos melhores que eu fui nos últimos tempos, quando a gente faz uma festa pra gente, e, não para impressionar, o resultado é tão original, verdadeiro e único que, só poderia ter valido a pena ter feito esse desvio de roteiro. Decisão acertada.

Viajando {comportamentalmente} em família – Parte 1

Vai chegando o final do ano e, a gente vai pensando em um roteiro/destino pra viajar em família, sempre em Janeiro. Pensamos em muitas opções até que, por conta de um casamento de uma amiga do Beto em Nova Orleans, resolvemos aonde iríamos dessa vez em família. Decidimos fazer uma viagem de carro pela Costa Oeste dos Estados Unidos, eu e ele já tinhamos feito essa mesma viagem há uns 20 anos atrás e, eu sempre quis voltar pra levar os meus filhos.

Foram 15 dias de viagem. Muitos quilômetros rodados dentro de um carro, vários hotéis ou seja, várias cidades pelo caminho. Lendo isso, vocês podem achar que foi uma correria (até foi), mas a nossa viagem CVC foi perfeita, juro – ok, tivemos dois incidentes – mas isso eu deixo para depois – vai ter que ler o post e a Parte 2 até o final, colega.

Começamos por San Diego. Desembarcámos numa manhã sem sol, com a temperatura na casa dos 21 graus Celsius (o que pra mim estava ótimo, afinal estamos no inverno por aqui), fomos direto para a locadora onde um carro previamente reservado nos aguardava. Obviamente, o carro previamente reservado era pequeno demais para a quantidade de malas da família (5 malas e uma mala de mão). Nunca na estória de nossas viagens um carro serviu de primeira aos nossos propósitos. Não quero falar de quem é a culpa, mas alguém (?) sempre insiste em alugar um carro fora dos padrões de realidade familiar. Conclusão: precisamos trocar o carro por um maior – como sempre – tem coisas que nunca vão mudar e, essa é uma delas.

Em San Diego fizemos alguns passeios recomendados tipicamente de turista, uma chuva chata nos impediu de ver o famoso por do sol em La Jolla, mas em compensação tivemos o encontro entre o Beto e seu professor de hugby da época da escola, numa legítima pizzaria gringa, com direito a pizza de camarão e pimentão, sim, isso mesmo que vocês leram, camarão e pimentão. Eu achei bem diferente, pra não falar outra coisa ou ser deselegante com tamanha gentileza, mas essa pizza por aqui eu tenho certeza que não vira moda, não.

Porém, todavia, contudo, este será um relato muito mais comportamental, do que uma dica de viagem propriamente dita, se bem que, viajar em família – leia-se com um adolescente de 21 anos (sim, eu li a pouco que a adolescência nos dias de hoje vai até os 24 anos e, eu concordo totalmente com esta afirmação, seja ela de quem for) e uma adolescente de 18 anos do sexo feminino (não quero estigmatizar a diferença de gêneros, ainda mais eu, sendo uma feminista de carteirinha, mas devo confessar que nesta idade (lá em casa), as coisas são, como eu posso dizer, mais dramáticas).

Portanto, quer dica melhor do que esta?!

Esse é um relato de sobrevivência na selva, acima de tudo. Se a sua família vai sair para as férias, leia este post. Altamente recomendado aos pais de adolescentes.

*Primeira dica: valiosíssima, não se iluda, não importa a idade no documento, seus filhos vão se comportar como crianças de 5 e 7 anos de idade dentro do carro, vai ter briga, bullying interno, discussão, inúmeros pedidos inapropriados durante a viagem ” Mãe, quero ir no banheiro, pode parar agora?!”– Claro, estamos no meio do nada “Pai, falta muito?!” – Falta, não enche o saco “Tô com fome, podemos comer no Mc Donald’s?!” – Não! pergunta idiota, tolerância zero como diria o bordão do saudoso Francisco Milani. Enfim, as coisas não mudam e a nossa paciência corre solta, como sempre.

Voltando para a cidade de San Diego, não sei se captei a vibe correta do lugar, mas achei tudo meio estranho. A quantidade de maluco beleza por metro quadrado era impressionante, o cheiro de maconha dava um barato enjoo, sério, fiquei hospedada no centro e, por lá, a grande maioria dos passantes preenchia essas características. Logo de cara um deles jogou uma garrafa de água pro alto, em plena CVS e saiu blasfemando contra o ar, outro me olhou e pediu pra eu jogar o papel dele no lixo, já outro, conversava com a parede. Nada contra os malucos belezas, pelo contrário, tenho uma grande simpatia por eles, mas naquela cidade achei em excesso. Não sei se um dia volto lá, quem sabe mude de ideia, posso estar redondamente enganada na minha avaliação, mas foi essa a sensação que eu tive. E, isso não quer dizer que não gostei do lugar, viu?! apenas deixo San Diego na última posição do ranking desta viagem em família.

Dia de pegar a estrada pela primeira vez. Destino: Los Angeles, mais precisamente em Santa Mônica. A viagem foi tranquila, afinal 2 horas de carro, a gente se aguenta numa boa. De cara, eu amei o lugar e a vibe.

O nosso hotel era muito charmoso, sabe aquelas construções de madeira branca de filme de Hollywood?! quem assistiu Something’s Gotta Give (Alguém tem que ceder) pode ter uma noção, porque se parece muito, inclusive com os detalhes em azul. Ele fica na frente da praia, apenas 5 minutinhos do famoso Pier. Por isso, nosso primeiro passeio foi alugar uma bicicleta e sair pedalando até o Pier e suas imediações. Eu e Beto fomos abandonados pelo nosso casal “cansado” de filhos, logo na metade do passeio. Seguimos em frente, continuamos pelo calçadão até chegar em Venice Beach, aproveitamos para tirar fotos, filmar, namorar, aliás fizemos tudo sem a censura prévia dos nossos inquisidores – podem reparar em breve no vlog que eu vou soltar aqui – quantas vezes (principalmente, a minha pessoa) é, censurada por eles. Pronto falei.

 

Nesse hotel ficamos em quartos separados, apesar de preferirmos (mesmo com os filhos grandinhos), ficarmos em quartos conectados, afinal qual é a graça da bagunça na hora de dormir, de sentar todos os 4 na mesma cama para assistir um filme ou nossos shows/documentários preferidos nos Estados Unidos, como o – Forensic Files – apesar de ficar com medo na hora de dormir e achar algumas estórias muito macabras, ou de achar graça dos meninos assistirem o super herói mais improvável de todos os tempos – Daredevil – e, ficar zoando eles sem parar. Qual seria a graça da viagem sem isso tudo, sem esses momentos?!

Aliás, o quesito quarto é um ponto muito interessante durante a viagem. O meu quarto e o do Beto, se você entrar a qualquer hora do dia ou da noite, vai parecer que a housekeeping acabou de sair dele, tamanho o nível de organização. Já, atravessando o outro lado da fronteira, no quarto “das crianças”, parece que ela nunca entrou, tamanho o nível de zona. Devo confessar que isso acontece muito mais por um dos hospedes desse quarto em questão, talvez o(a) mais dramático(a) deles – sou mãe e, não posso entregar filho nenhum – mas de qualquer maneira a zona é generalizada. Roupas espalhadas, bandeja com restos mortais de comida, toalha jogada, Acho que a mentalidade é, tipo assim “Estamos de férias, mesmo, férias de tudo”. Eu sempre olho, sempre dou umas broncas e sempre dou meia-volta. Impossível, não se irritar com a bagunça.

 

F.A.M.I.L.Y. 👣👣T.R.I.P. Do Oiapoque ao Chuí together

A post shared by L u M i c h e l e t t i (@lu.mich) on

Todos nós gostamos muito de Santa Mônica e seus encantos, mas era chegada a hora da partida. Malas no carro, café da manhã tomado, xixi feito, eu implorei para pararmos no Getty Center, tento convencê-los de todas as maneiras que o lugar é imperdível, afinal ele ficava no nosso caminho, porque não dar uma parada?! Entre tapas e beijos, consigo convencer a galera. Engraçado como quase todos os lugares nos Estados Unidos é um esquema parque da Disney, né?! Estacionamentos gigantescos, monorial pra leva- lo até o seu destino final, simpáticos e eficientes monitores te auxiliando a todo momento, enfim o lugar valeu cada minuto gasto por lá. Uma arquitetura lindíssima, super moderna, instalada no alto de uma colina, com vista para Los Angeles. Obras e exposições dignas dos grandes museus – aliás, vimos uma exposição de Caravaggio – eu, me encantei pelo jardim, que paisagismo único. Ficamos  umas duas horas, e, pra quem não queriam ir, todos acabaram gostando.

Pé na estrada, dia lindo, rota traçada, porém o nosso primeiro imprevisto estava nos aguardando mais na frente. Eu, sou super fã da Oprah Winfrey, ou seja acompanho ela pelo Instagram e suas mídias, agora vocês devem estar se perguntando “E daí?!”. Bom, ela mora em Santa Bárbara, uma das cidades pela qual nós deveríamos passar na estrada. Acompanhem o meu túnel do tempo. Há alguns dias, eu comentei com eles a seguinte notícia “Gente, vocês viram que teve uma avalanche de lama onde a Oprah mora?!”. A pergunta que não quer calar, alguém me deu bola?! ninguém. Pois bem, a estrada para Santa Bárbara estava fechada, sem acesso nenhum, tudo cheio de lama. Demos de cara no bloqueio.

Um simpático policial, nos disse “Daqui não passa”. E, faltava apenas 1 hora para chegar. 1 hora. Ele até foi muito espirituoso, nos falou que a volta levaria apenas umas 5 horas mais ou menos (+ as horas já rodadas, num total de 9 horas na estrada). Isso não deveria chegar a ser um problema, com sorriso nos lábios ele nos disse que, certamente, seria um ótimo momento em família – Spend quality family time togetherconseguem imaginar a cara de todos dentro do carro?! bom, eu tinha avisado sobre o problema de M.U.D. (lama) na casa da Oprah, não me deram bola, meia-volta vou ver.

Ps: o GPS maldito não avisou sobre o bloqueio em Santa Bárbara, apenas o Google Maps, mas já era tarde demais. Não, não estávamos lendo as notícias, nem assistindo televisão, apenas fuçando nos celulares.

Estão vendo a cidade de Santa Bárbara no mapa, sente a volta que fomos obrigados a dar nesse “pequeno” parque chamado Los Padres National Forest. Este era o único caminho possível para chegarmos até, Pismo Beach, nosso destino final naquele dia, tão emocionante e nada cansativo. Obviamente, paramos na primeira cidade que passamos e paramos pra comer alguma coisa. Tivemos muita sorte, achamos um restaurante super aconchegante, com um hambúrguer delicioso. Nesta altura dos acontecimentos, só nos restava tirar sarro da situação, eu mais ainda, afinal eu tinha avisado sobre a lama, mas o Beto (que não me levou a sério) estava bem irritado e mal humorado, então, achei melhor respeitar o estado emocional dele. Contém ironia.

*Segunda dica: “shits happens”, imprevistos numa viagem de carro acontece, então não se esqueça de levar sempre balinhas, água, bolachinha, chocolates, qualquer tranqueira dentro do carro, a gente nunca sabe quanto tempo vai levar na estrada e, como eu já falei acima, filhos serão sempre crianças mimadas e insuportáveis dentro dele. Agora, o pior é precisar dar aquela paradinha, para a bexiga de cada um fazer o seu xixi. Haja paciência.

 

*Não percam, a segunda parte desta aventura comportamental em família, pela California. Nosso próximo destino do dia será Carmel, mas antes aquela paradinha em San Simeon. Será que tinha mais bloqueios?! aguardem os próximos capítulos posts.

Decidimos mostrar a Califórnia para as kids 🧒🏻👧🏻 de carro 🚘 a #trip começou por SAN Diego, passou por Los ANGeLes, teve um contratempo por conta das recentes inundações de lama em Sta Bárbara, tivemos que dar uma volta enorme, até chegar a PIsMO BEaCh 🏖 onde dormimos. Hoje, passamos o dia em SAn SImEoN no famoso e único #hearstcastle Agora, seguimos para Carmel 🎥 • • “A Pacific Coast Highway é o nome dado ao trecho da auto-estrada State Route 1 ou Highway 1, a maior estrada costeira da Califórnia, Estados Unidos, que liga as localidades de Dana Point e Oxnard na linha costeira do sul do estado americano, famosa por cortar deslumbrantes paisagens praianas em sua extensão. Em seu percurso cruza desde grandes e médias cidades como Los Angeles e Long Beach a pequenos balneários como Santa Mônica e Malibu” • • #california #beachlover #familytrip #wanderlust #globtrotter #viajandodecarro #viajandopelomundo #travelaroundworld #triptravel #route1 #californiaroute1

A post shared by L u M i c h e l e t t i (@lu.mich) on

A rua – Nova Iorque

Eu sempre gostei da rua. Quando eu era criança, tive a felicidade de morar numa vila cheia de outras tantas crianças. Minhas brincadeiras eram na sua grande maioria a céu aberto. Quando a gente ficava no ócio, sem ter nada pra brincar, continuávamos na rua, sentados nas portas das casas, nas calçadas, jogando conversa fora, brigando, tirando sarro da cara um do outro, enfim era a rua o meu parquinho, a minha área de lazer.

Quando adolescente continuei na rua, mas agora eu tinha a turma do prédio e os meus amigos moravam todos pelo bairro. Vivíamos de rua em rua, cada hora íamos pra um canto das ruas planas de Moema em São Paulo, mas nosso “point” mesmo ficava na Rua Iraí, consequentemente nossa turma também recebeu o mesmo nome dela “Irai’s Gang”.

Casei, e, em pouco tempo fui morar numa casa. A casa ficava em frente a um parque com árvores enormes e muito verde. Esse virou o quintal dos meus filhos quando pequenos. Até hoje, quando estou entediada & irritada, Ying & Yang – não importa o meu humor – sempre saio pra andar na rua ou pelo parque com as minhas cachorras: Marie & Lolla.

Então, acho que até esse momento, eu consegui passar um pouquinho da minha relação com a rua, não é?! sinto não poder andar livremente por São Paulo como antes eu fazia, na minha adolescência, nunca senti o medo que eu sinto hoje, não me atrevo a levar as cachorras pra andar tarde da noite, pelas ruas do meu bairro. Impossível, me imaginar andando pelas ruas de uma cidade como São Paulo, sem a preocupação de ser abordada.

E, é aí que, eu começo a explicar o meu fascínio por Nova Iorque. Às vezes as pessoas não entendem o porquê de todo ano eu vir pra cá, Elas perguntam “Você não se cansa de ir pra Nova Iorque?!l Não. Aliás, eu não conto Nova Iorque como uma viagem de turismo, e sim, como uma viagem de reciclagem. Reciclagem das minhas ideias, da minha criatividade, da minha cultura, da minha capacidade de lidar comigo (posso chamar isso de “boa solidão”), da minha capacidade de ter jogo de cintura, da minha liberdade de ir e vir, da libertação das amarras dogmáticas do nosso cotidiano, de não me criticar com rigidez, de ter coragem para ousar. Enfim, são muitos os motivos que me trazem todos os anos até aqui.

Mas se eu tivesse que escolher apenas um bom motivo, seria ela – A RUA – ela, a minha amada rua que sempre me recebeu de braços abertos durante a minha infância, adolescência e hoje, me recebe como mulher. Que permite ser a minha própria válvula de escape, pela qual eu posso desbravar diariamente novos lugares, deixando de lado todo aquele medo da violência em que me acostumei a viver e pela qual, se tornou uma triste instrução normativa.

Dessa vez, minha estadia por Nova Iorque será muito mais longa do que de costume. E, eu não poderia ficar em outro bairro, se não o meu querido Soho – ele sempre me lembra das minha várias ruas – Além, do fato de ter sido uma garota de vila, eu adoro essa coisa meio bairrista onde as pessoas se cruzam o tempo todo, que só existe por aqui nessas ruas de paralelepípedo, com todas elas juntas e misturadas, cada uma na sua.

Meu amor por NY vai muito além do consumo – obviamente, não serei hipócrita, esse lado é altamente atrativo, e, aqui é o melhor lugar no mundo para fazer shopping – mas acima disso, a liberdade que eu desfruto é maior do que qualquer item para o meu consumo. A minha liberdade não tem preço, quando se trata de andar sozinha, com ou sem meu relógio, com as minhas jóias, com o meu shorts curto, com a minha Havaianas ou a liberdade de sentar sozinha pra almoçar (sem que isso seja estranho), a normalidade de sentar para escrever no café por horas a fio (sem que isso seja absurdo), simplesmente a rua daqui é democrática. Ela abriga todos, todas, do jeitinho que cada um é ou da maneira como cada um deseja ser.

Nessa minha temporada novaiorquina, eu tive 3 fases até agora: a primeira foi uma festa. Éramos em quatro amigas, eu por questões de conhecer muito bem a cidade, naturalmente me tornei a “Tia Augusta” do grupo, nos apelidamos de Divas em Nova Iorque (uma espécie nacional de SATC). Andamos muito de um lado para o outro da cidade. Já na segunda fase, de quatro, virei uma dupla. Eu e a minha amiga Simone, nos concentramos mais por desbravar cada cantinho charmoso do SOHO.

Na terceira fase, fiquei sozinha ou melhor com a minha filha (mas ela está aqui pra estudar, seu curso começa às 9:00 da manhã e só terminava às 4:00 da tarde). Por isso, digo que estou sozinha, pelo menos durante a grande parte do meu dia. Foi nesse momento de “boa solidão” que eu inventei uma meta diária para mim. Andar no mínimo 8KM pela cidade, sem um roteiro escrito, totalmente sem lenço e sem documento.

Eu nunca tinha feito isso por aqui. Sempre acordava sabendo minimamente o que fazer durante o meu dia. Dessa vez eu não queria roteiro. Passei a caminhar pela cidade sem destino, quando chegava em algum lugar mais interessante, parava tirava uma foto, uma selfie, tomava um café, entrava numa loja nova, conhecia uma esquina famosa, mas nada disso estava agendado. Durante a caminhada, eu decidia por quais ruas eu passaria. Olha, que experiência bacana, tive mais um novo olhar por essa cidade que me encanta tanto. Sei que aqui tem muita coisa errada, posso dizer logo de saída que as estações do metrô são nojentas, que as ruas são sujas, que muitas vezes as vendedoras são muito grossas, mas não posso dizer que eu me sinto amedrontada pegando esse mesmo metrô nojento ou me sinto intimidada por uma cara feia.

Dos males das grandes cidades grandes, certamente estes não são tão importantes assim. Eu já viajei por diferentes países do mundo, também senti essa mesma liberdade em vários outros deles, como em Tokyo no Japão – nunca vi um país tão limpo e educado na minha vida toda – Bucareste na Romênia – fiquei impressionada com a alta qualidade da gastronômica e como era tranquilo andar pelas ruas, ainda mais se tratando de um país com problema econômicos e sociais – Ah, não pode faltar na minha lista Barcelona (por razões óbvias), como o fato da minha irmã morar por lá – andar de madrugada é tão gostoso como por aqui, nada de entrar em carros blindados, aliás duvido que exista blindagem naquele país.

Nova Iorque me dá um sopro da minha tão preciosa liberdade, aquela em que eu me acostumei a não ter mais. Aquela que me faz prisioneira de um estado fracassado, onde eu moro e onde o indivíduo não se sente protegido. Nova Iorque me dá o que eu não tenho. Aqui eu sou livre, ando pelas ruas do jeito que me der na telha. Arrumada, maloqueira ou como diz a minha amiga Dedis “Você é uma moleca chic”. Não troco o que esta cidade me dá, por nenhum novo destino, são eles que precisam se encaixar na minha Nova Iorque querida de todo ano. E, como eu ainda não coloquei as pernocas pra andar hoje, vou me arrumar, comer um bagel com salmão do Sadelle’s , (porque eu acordei sonhando com ele) e depois vou bater a meta do dia…ainda sem rumo e sem destino previamente estabelecido. Vou aonde eu quiser, a rua é quem vai me levar.