Não estava nos nossos planos de viagens (de família), mas eis que surge um nome. Eu, logo me interessei pelo desvio de rota, da Costa Oeste para o meio dos Estados Unidos. Nunca pensei em fazer uma viagem para New Orleans. É verdade, eu sempre tive muita curiosidade em conhecer essa cidade, por inúmeras razões, seja pelas suas origens do jazz, pelas histórias da Guerra Civil, o filme 10 anos de Solidão, o trágico furacão Katrina ou o famoso Mardi Gras, vários eram os motivos pra eu querer conhecer a cidade, mas nenhum deles havia me feito querer tanto pra que eu planejasse uma viagem por lá

E, de repente o motivo que faltava surgiu, tínhamos sido convidados para um casamento, entre uma brasileira amiga do Beto, com um americano de Miami. Nenhum dos dois moravam ou tinham familiares em New Orleans, mas porque, então iriam se casar em um lugar tão peculiar como NOLA ?!

Simplesmente, porque a cidade é pura festa e, assim também são os noivos.

Esqueçam as grandes produções nababescas do nosso país, com essas festas para milhares de pessoas e, decoração de flores do chão até o teto, nada de ostentação, somente a simplicidade de uma comemoração feliz entre amigos e família. Aqui é assim.

Tudo começou pela pequena cerimônia na área externa do restaurante, foram justamente os amigos  – os celebrantes desse momento – eles quem conduziram o ritual (sem frescuras ou discursos longos e enfadonhos chatíssimos). Adorei essa quebra de regras, essa ousadia de criar um novo ritual tão particular e intimista.

Em seguida, chegamos no ponto alto da festa, quando o ritual volta para o tradicional – aos moldes da cidade e suas tradições – a noiva e o noivo convidam seus amigos para festejar toda essa alegria e a nova união, literalmente do lado de fora do salão, ou seja na rua.

Uma banda estrategicamente nos aguardava na porta do restaurante, já tocando e chamando os convidados para se juntarem aos noivos, como numa peregrinação ou numa ala de escola de samba, saímos dançando pelo rua. Que energia.

Fomos devidamente escoltados por policiais, um batedor de moto não deixa que o fluxo desandasse, somos observados de perto pelos transeuntes curiosos que, neste momento passam a aplaudir a noiva, o noivo, mandando beijos, assobios e gritos de boa sorte, felicidades e muito amor. Alguns se arriscam a dançar conosco, outras pediam selfies com a noiva, que prontamente atendia aos pedidos. Ela estava vestida com um longo branco liso divo, complementado por uma capa chiquérrima e, uma casquete no cabelo a lá década de 50, era puro estilo.

Foi uma volta por alguns quarteirões, mas o suficiente pra animar os convidados e as pessoas que estavam na rua naquele momento. E, tudo o que precisou foi, um batedor de policia controlando o trânsito e muita felicidade, além da ginga no pé, não é mesmo?! mas nesse quesito, os convidados Made in Brazil deram um show à parte. Sorry, gringos…

Voltando para o restaurante, nos despedimos da banda e, em seguida foi servido um brunch. Toda essa simplicidade fez desse casamento um dos melhores que eu fui nos últimos tempos, quando a gente faz uma festa pra gente, e, não para impressionar, o resultado é tão original, verdadeiro e único que, só poderia ter valido a pena ter feito esse desvio de roteiro. Decisão acertada.

Posts relacionados

  • Uma viagem pela Romênia
    Foram 11:30 horas até Londres e mais 3:00 horas até finalmente chegar na Romênia. Nunca imaginei um dia conhecer esse país, sempre que rabiscava uns nomes na minha lista de países preferidos pra conhecer, este nem em sonho entrava... Continue lendo
  • A rua – Nova Iorque
    Eu sempre gostei da rua. Quando eu era criança, tive a felicidade de morar numa vila cheia de outras tantas crianças. Minhas brincadeiras eram na sua grande maioria a céu aberto. Quando a gente ficava no ócio, sem ter... Continue lendo
  • Uma jaqueta de couro 2
    Olha ela aí novamente, não falei que uma jaqueta de couro é a salvadora da pátria?! Apesar de estarmos em Maio, Barcelona me surpreendeu pelo tempo, neste dia em especial o sol saiu, mas a temperatura ainda estava baixa,... Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *