Quando eu engravidei milhares de coisas passaram pela minha cabeça, medo de não dar conta do recado, inseguranças naturais de qualquer mãe de primeira viagem, ansiedade com a chegada do parto, enfim tudo o que qualquer mãe passa. Nada diferente ou anormal, sensações iguais às todas as mães desse mundão.

Agora, se tem um detalhe que nos diferencia entre nós – mães, esse detalhe fica por conta da escolha do nome dos nossos filhos. Uma escolha muito pessoal e, é sempre cheia de histórias. Por isso, vou começar lá de trás essa minha narrativa, começando pela a minha avó, que se chamava Dirce, hoje em dia você certamente não verá uma bebê com esse nome, por ser um nome antigo e registro de uma outra época passada. Não faço ideia de quem escolheu o nome dela, mas um dia ainda faço uma pesquisa sobre essa escolha.

Enquanto isso, vou dizer o porquê do nome da minha mãe e suas irmãs (ao todo são 4 mulheres e 4 homens). Todas se chamam Maria, são elas; Ramira Maria, Regina Maria (minha mãe), Evangeline Maria e Salete Maria. Segundo meu tio Raul, o primogênito entre os irmão, naquela época era comum as mães oferecerem suas filhas a Nossa Senhora, Maria mãe de Jesus Cristo, na hora do batismo.

tumblr_nftqfkm04u1rnfb9bo1_500

Agora, segundo minha tia Ramira o segundo nome Maria para todas elas, era de propósito e significava praticidade, como eram muitos filhos e filhas ficava mais fácil chamar por uma Maria, que todas elas respondiam de uma só vez.

Se a minha avó escolheu pra minha mãe e suas irmãs Maria, a minha mãe escolheu pra mim e minha irmã Ana, a mãe de Maria. A minha mãe – Regina – fez uma votação na maternidade, estava entre dois nomes: Juliana e Luciana. Deu Luciana no placar final e, por isso esse é o meu nome. Aliás, na década de 70 esse nome era um sucesso, tive muitas amigas com o mesmo nome.

Chegou a minha vez de ser mãe e escolher o nome dos meus filhos. Pro meu primogênito estávamos num empasse, eu queria um nome e o pai outro. Quem acabou decidindo foi a numerologia. Fomos fazer uma consulta com um numerólogo, ele era super velhinho e atencioso, fez um monte de contas e pra dar o “número perfeito”, o nome que eu tinha escolhido era o ideal. Resultado, venci e o nome ficou duplo, diferente e especial Pedro Jos, não, não é José pai de Jesus. É, J.O.S.

Já a minha filha a história foi outra, nem o meu e nem o nome do pai, davam o “número perfeito” pela numerologia. Ah, claro, se eu escolhi o nome de um filho desse jeito, não poderia escolher de outro o nome da segunda filha.

Voltando ao nome, começamos a dizer os outros nomes da nossa lista, mas eles não davam a conta perfeita, tentamos de tudo, nome de avó, de tia, de mãe e, nada funcionava. Eu já estava exausta, grávida de 7 meses, estava quase desistindo, quando o Seu Nuno – aquele mesmo numerólogo velhinho e atencioso – me disse assim “Eu vou te dar um nome, que vai ser o melhor pra sua filha”.

Pois bem, ele fez umas contas e escreveu no papel Cora Nina. Naquele momento em que eu ouvi esse nome, me apaixonei imediatamente, meu marido também. E foi assim, que eu escolhi o nome dela. Essa foi a história do nome dos meus filhos, do meu nome, do nome da minha mãe. Cada mãe e suas escolhas, desde de sempre, com muito amor ❤️

SAMSUNG CAMERA PICTURES

**Minhas Marias, Anas e Josés…

 

Categorias: Comportamento
Publicado por Lu Mich

Posts relacionados

  • Quando eles forem embora…
    Curioso como a maternidade chega pra cada mulher de um jeito, num determinado momento de vida, mas de uma maneira geral, as mulheres estão adiando a maternidade lá pra frente, hoje em dia é muito comum  chegar por volta... Continue lendo
  • Mãe {feliz} viaja!
    Minha primeira viagem longe do meu filho Pedro, foi há muitos anos atrás. Eu já contei tudo AQUI pra vocês. Já na minha segunda viagem sem ele, eu também estava “deixando” a Cora, que na época era um bebezinho... Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *