#Nos40DoSegundoTempo

Quando eu visitei Hiroshima…

Quem acompanha o blog, sabe que ano passado visitei o Japão, juro, pouco sabia o que eu iria encontrar por lá, fui sem nenhuma expectativa, até porque as minhas informações eram básicas: enquanto aqui é dia, lá é noite, o trem bala japonês é super eficiente, eles fazem origamis, comem peixe cru, usam kimonos, são super disciplinados, excelentes alunos e muito trabalhadores.

Diante dessas informações clichês, desembarquei em outubro e comecei minha viagem que durou 20 e poucos dias, por uma terra maravilhosa. Quanta educação, quanta doçura, quanto respeito pelo próximo, impossível não sentir essas impressões e impossível não comentá-las. O japonês é muito atencioso, mesmo não sendo um povo onde o inglês é muito falado (por incrível que possa parecer), eles estão sempre se esforçando, com um sorriso no rosto para tentar te ajudar de todas as maneiras possíveis.

E foi num dia muito especial, que eu parti para Hiroshima. Conhecer seus valores, sua crenças e suas dores, me fez pensar muito sobre o dia em que os Estados Unidos jogou a famosa bomba nuclear “Little Boy”, sobre uma população civil completamente inocente. A força e o calor inimagináveis fizeram com que sumissem  instantaneamente milhares de pessoas, elas simplesmente evaporaram deixando para trás toda uma estória de vida, sem aviso prévio. Foram atingidas diretamente, aproximadamente 350,000 pessoas expostas as radiações nucleares.

Assim, que eu avistei o único prédio que havia resistido em um raio de 2 quilômetros do epicentro da bomba, senti uma profunda carga de emoção, onde a cada novo símbolo visitado fazia com que meus pensamentos se compadecessem de todas as vítimas desse tragédia humana.

Um dos pontos mais fortes dessa visita foi entrar no Museu – Memorial da Paz – um silêncio profundo de puro respeito se espalhava pelo ambiente, enquanto eu e todos ali, olhavam aquelas fotos de sinais deixados pelos evaporados, mortos e feridos, um único pensamento é unanime, o desespero daquele dia não deve nunca mais ser repetido por nenhuma nação neste planeta.

Vocês podem me perguntar – Vale a pena conhecer um lugar que tenha um passado tão triste como este?! eu prontamente responderei, SIM. É nosso dever espalhar ao mundo mensagens de amor, é diante de tantos horrores, que nos tornamos ARAUTOS DA PAZ!

Japão Hiroshima

Japão Hiroshima

Japão Hiroshima

Japão HiroshimaJapão Hiroshima

japão hiroshima

Japão Hiroshima

Japão Hiroshima

Hoje Hiroshima lembra com um minuto de silêncio do exato momento da bomba, jogada a 70 anos atrás.

* Em 06 de agosto de 1945, um bombardeiro B-29, apelidado de Enola Gay, despejou uma bomba de urânio.

*A bomba explodiu a 570 metros do solo.

*Formou-se uma imensa bola de fogo no céu com uma temperatura de 300 mil graus Celsius.

*Estimativas indicam que mais de 140 mil pessoas, tenham morrido.

collage

* Os feridos procuravam desesperadamente por água.

collage

* A sombra de uma pessoa sentada nos degraus, foi tudo o que restou, ela foi evaporada pelo calor da bomba.collage

* Quem visita o Memorial da Paz, fica incrédulo com tudo o que vê…destruição, dor, agonia e muito sofrimento, fora ouvir os relatos dos sobreviventes, por meio de fones de ouvidos e vídeos, ninguém sai da mesma forma que entrou.

collage

* Quantas crianças mortas, quantas vidas ceifadas pelos horrores de uma guerra.

Fotos: DQZ

Templo de Kinkakuji – Kyoto

Não, eu ainda NÃO acabei as minhas postagens sobre o Japão. Não tenho culpa da minha viagem ter sido incrível (modesta, eu?!) e por conta deste detalhe, ainda ter muito o que contar pra vocês, por isso, hoje é dia de DQZTrip.

Chegamos em Kyoto, por aqui o que não falta são templos, tanto que o pessoal costuma dizer que estamos na “cidade dos mil templos”, imagina, na verdade são quase 3.000 mil templos, vejam só vocês. Ou seja, o primeiro passeio do dia, não poderia ter sido em outro lugar, não é mesmo?!

Templo de Kinkakuji ou Pavilhão de Ouro, é uma verdadeira obra de arte que reflete toda a sua majestosidade, às margens de um lago e de um maravilhoso jardim oriental, onde juntos formam um dos mais famosos patrimônios mundiais pela UNESCO.

Esse templo foi reconstruído em 1955, após um fanático monge ter incendiado essa maravilha arquitetônica, mas logo após o incidente, o templo recebeu novas camadas de folhas de ouro. Podemos observar os 3 andares do tempo e suas diferentes construções, o andar térreo é marcante pela falta de ouro, ele possui estruturas de madeira e gesso branco. Já o primeiro andar em estilo bukke (construção ao estilo samurai) e o segundo andar (estilo salão chinês), são repletos de ouro.

Certamente, quem vier para Kyoto, deve passar por este templo, além de ser um dos mais conhecidos ~ o que faz dele, um dos mais visitados por turistas, mas principalmente ele está cheio de crianças japonesas, quase sempre todas muito alegres ~ o visual do templo refletido na água é único.

Untitled-620x76

Untitled

SAM_1816

Untitled

SAM_1820

SAM_1822

SAM_1821

SAM_1828

Untitled

SAM_1826

Como chegar: é possível ir de metrô, ônibus ou táxi.

Horário de funcionamento: o templo abre diariamente das 9h às 17horas.

Fotos: DQZTrip

 

O japão e a cerimônia do chá

Japão - ritual do chá
Conhece aquela famosa frase clichê de qualquer viajante?! algo como, “Não dá pra ir a Paris, sem comer um crepe” ou “Impossível, ir a Roma e não ver o coliseu”, pois é, eu vou introduzir mais uma – “Ir para o Japão (do outro lado do mundo), sem assistir a uma cerimônia de chá é inadmissível, minha gente”.

Numa das programações pela manhã, nossa primeira parada foi em uma casa especializada na cerimônia, nada de ficar falando, e sim, observando, para seguir todas as ordens e orientações de quem preparava o ritual.

Vou fazer uma grande confissão, eu deveria ter gostado do chá e do bolinho de feijão que foi servido, mas…pelo contrário eu detestei, meu paladar ocidental entrou em choque neste momento, causando um arrepio nas minhas papilas gustativas, que imediatamente reconheceu um gosto estranho. Enfim, o que vale sempre nessa vida é a experiência, não é mesmo gente?!!

SAM_1791

Untitled

ritual do chá

Fukusa – lenço de seda
Chawan – taça
Natsume ou Cha-ire – boião para o chá em pó
Chasen – batedor para preparar o chá
Chashaku – espátula para servir o chá em pó
Chakin – pano para limpar a taça
Hishaku – concha de bambu
Kensui – recipiente para a água suja
Tana – pequena estante para colocar os utensílios
Kama – panela de ferro
Furo – braseiro

ritual do chá

SAM_1794

SAM_1792

collage

ritual do chá

ritual do chá

LuMich / Ritual do CHá

SAYONARA!!!

Fotos: DQZ/ Fonte: Wikipedia