#Nos40DoSegundoTempo

O meu guia do Soho {just for you}! 1* Parte

Minha relação com a cidade que nunca dorme vem de longa data e, quem me segue por aqui ou pelo Instagram sabe que eu considero Nova Iorque a minha segunda casa e o bairro do Soho, o meu preferido de todos.

Sempre que posso me hospedo por lá (tanto faz o hotel), o importante é ficar pelo bairro. Durante a semana parece uma outra cidade fora do burburinho de Manhattan, me arrisco até a dizer que a tranquilidade habita aquelas ruas de segunda a quinta-feira, sim, de sexta-feira em diante, o bairro é tomado pelos turistas e por quem mais estiver a fim de andar por aquelas ruas de paralelepípedos.

O charme do Soho é em grande parte pela sua arquitetura (nada de arranha céus, salvo algumas exceções), seus prédios são baixos e sua marca registrada fica por conta daquelas escadas de incêndio estrategicamente posicionadas do lado de fora, feitas de ferro, típicas do século XIX, aliás, elas, as escadas são símbolos culturais da cidade.

A vibe do Soho é diferente, o ritmo também, eu (super) recomendo “se perder” pelo bairro, primeiro porque ele é relativamente pequeno, se guie pelas placas de rua da cor marrom, se mudarem de cor, você mudou de bairro. Volte uma rua e permanece nele. Segundo, duvido que você tenha pressa de sair de lá. Com um monte de opções entre restaurantes, lojas e lojinhas pra espiar, entrar e enlouquecer, vai faltar é tempo pra conhecer tudo, garanto.

Claro, impossível passar despercebido pelas compras, afinal ela está a cada passo, a cada esquina, a cada piscar de olhos. Por aqui, a variedade de lojas é a mesma da quinta avenida e seus arredores, mas eu diria que, aqui tem um algo a mais, algumas lojas são únicas e tem aquela cara descoladex/hippie/chic bem típica do Soho.

Os melhores brechós também ficam aqui – What Goes Around Comes Around, A Second Chance, Paris Station – estão por aqui, mas não se engane, o vintage tem seu preço e, nem sempre é uma pechincha, pelo contrário tem alguns itens bem salgados.

Tenho algumas (muitas) lojas da minha preferência, na verdade vou variando no instante que mudo meu estilo, ou melhor dizendo – aprimorando.

Ultimamente, virei fã da loja Tibi (se eu fosse 10 centímetros mais alta, compraria a coleção inteirinha deles). Theory, All Saints e Vince, são variações do mesmo tema: sempre tem uma peça de roupa que é a minha cara. Sandro é definitivamente o meu lado romântico (que insiste em aparecer na composição do meu estilo), apesar de ultimamente estar ligada mais ao conforto descolado da loja James Perse – aliás, chamem pelo vendedor Jamiroquai, sua compra terá outro nível de excelência – continuando, Zadig & Voltaire tem peças para suprir o meu lado mais rock and roll. Com, Marc Jacobs e Diane Von Furstenberg sempre será uma relação de amor e ódio, tem vezes que eu acho tudo lindo, outras odeio tudo.

 

Já tentei outras, mas continuo gostando mesmo das calças da Seven. Comprei um coturno do Dr. Martens e digo com toda certeza, quando ele acabado, eu compro outro em seguida. O que dizer da Banana Republic, um clássico é sempre um clássico e, eles tem a peça indispensável do meu armário: os casaquinhos. Enfim, dou sempre uma passada pela Bloomingdale’s, Adidas, Zara, MiuMiu, Saint Laurent, Prada, Issey Miyake.

E, mesmo sem comprar absolutamente nada, afinal ver as novas tendências e, o jeito como as pessoas se vestem por lá, já é uma grande inspiração para inspirar o meu próprio estilo.

Além de roupas e sapatos, o Soho tem suas lojinhas pra quem não tá nem aí pra roupa. Rick’s é do tipo de loja que você se perde e fica horas. Shampoos, máscaras de cabelo, secadores, tinturas e, mais uma porção de produtos fazem literalmente, a minha cabeça. E, os produtos modernetes da loja do MOMA?! O único inconvincente é arrumar espaço na mala. Na última vez trouxe uma luminária pra minha casa, juro.

Ah! A livraria TASCHEN do Soho que entrega os livros em casa, isso mesmo, no Brasil. Acabaram os meus dias de querer levar e não levar os livros de arte, viagem, moda e todos os outros assuntos possíveis que fazem a minha cabeça e, não eram comprados por motivos de “tenho limite de peso para as malas”.

Tem a loja de chá T2, loja de perfume artesanal, loja de roupa pra cachorro de madame, loja de decoração, galerias de arte, a loja de pijama Sleep Jones, a maravilhosa Muji (japonesa) que tem as melhores e mais cheirosas essências do bairro. Ufffa, tem muita loja pra conhecer (com ou sem dólares) mas, de preferência com.

Vamos aos restaurantes…são tantos os meus preferidos…bom, alguns deles foram recomendações de amigos, outros dicas pela internet, outros do concierge, outros do Instagram, mas a maioria mesmo foi andando, entrando e experimentando. Alguns, eu nunca mais voltarei – por motivos de, eu não gostei – outros talvez, mas os meus preferidos são sempre obrigatórios nas minhas idas.

Impossível, não comer o salmão defumado do Sadelle’s ou o eggs benedict do Balthazar (apesar da chatice pra conseguir mesa por lá). Amo sentar sozinha com meu computador no Le Pain Quotidien e tomar o Belgian Hot Chocolate deles, não posso esquecer de tomar um chá da tarde ao estilo parisiense do Ladurée. Quando eu estou com pressa, passo no Dean DeLuca e compro um iogurte de morango com granola (dos deuses), assim posso continuar a minha caminhada.

Não posso esquecer do charmoso Sant Ambroeus e do queridinho da vez – La Mercerie – colega, se passar por lá come o ovo cocotte com mushrooms, please!!! Além, do Marie Belle da foto acima, um encanto de lugar. Todos esses são algumas das minhas melhores opções para café da manhã AND brunch.

E, não posso esquecer de falar do melhor cupcake do bairro: Georgetown Cupcake Soho. Simplesmente, sem palavras, sou fã desse bolinho viciante, o meu preferido é baunilha com chocolate.

Vamos falar de almoços, jantares e “welcome drinks” no próximo post. 
See you later!!!

Bye, Bye 👋🏻👋🏻👋🏻👋🏻 NEW YORK 🇺🇸 pra entender TODA essa minha paixão, por uma ilha 🌴 (de uma maneira Comportamental), eu explico TUDO nesse post • • • https://www.dramaqueenzen.com.br/trip/a-rua-nova-iorque/ • • • "Meu amor ❤️ por NY vai muito além do consumo – obviamente, não serei hipócrita, esse lado é altamente atrativo, e, aqui é o melhor lugar no mundo para fazer shopping – mas acima disso, a liberdade que eu desfruto é maior do que qualquer item para o meu consumo. A minha liberdade não tem preço, quando se trata de andar sozinha, com ou sem meu relógio, com as minhas jóias, com o meu shorts curto, com a minha Havaianas ou a liberdade de sentar sozinha pra almoçar (sem que isso seja estranho), a normalidade de sentar para escrever no café por horas a fio (sem que isso seja absurdo), simplesmente a rua daqui é democrática. Ela abriga todos, todas, do jeitinho que cada um é ou da maneira como cada um deseja ser" 👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣👣 #girlscandoanything #lumichwalking #newyorkart #newyorkcity #newyorklife #newyorkfashion #walkingthourghtheworld #walkingthourgh #soholifestyle #sohonyc #walkingalone #walkingnewyork #lovenewyorkcity #girlscandoit #writingmemories

A post shared by L u M i c h e l e t t i (@lu.mich) on

Um casamento em NOLA

Não estava nos nossos planos de viagens (de família), mas eis que surge um nome. Eu, logo me interessei pelo desvio de rota, da Costa Oeste para o meio dos Estados Unidos. Nunca pensei em fazer uma viagem para New Orleans. É verdade, eu sempre tive muita curiosidade em conhecer essa cidade, por inúmeras razões, seja pelas suas origens do jazz, pelas histórias da Guerra Civil, o filme 10 anos de Solidão, o trágico furacão Katrina ou o famoso Mardi Gras, vários eram os motivos pra eu querer conhecer a cidade, mas nenhum deles havia me feito querer tanto pra que eu planejasse uma viagem por lá

E, de repente o motivo que faltava surgiu, tínhamos sido convidados para um casamento, entre uma brasileira amiga do Beto, com um americano de Miami. Nenhum dos dois moravam ou tinham familiares em New Orleans, mas porque, então iriam se casar em um lugar tão peculiar como NOLA ?!

Simplesmente, porque a cidade é pura festa e, assim também são os noivos.

Esqueçam as grandes produções nababescas do nosso país, com essas festas para milhares de pessoas e, decoração de flores do chão até o teto, nada de ostentação, somente a simplicidade de uma comemoração feliz entre amigos e família. Aqui é assim.

Tudo começou pela pequena cerimônia na área externa do restaurante, foram justamente os amigos  – os celebrantes desse momento – eles quem conduziram o ritual (sem frescuras ou discursos longos e enfadonhos chatíssimos). Adorei essa quebra de regras, essa ousadia de criar um novo ritual tão particular e intimista.

Em seguida, chegamos no ponto alto da festa, quando o ritual volta para o tradicional – aos moldes da cidade e suas tradições – a noiva e o noivo convidam seus amigos para festejar toda essa alegria e a nova união, literalmente do lado de fora do salão, ou seja na rua.

Uma banda estrategicamente nos aguardava na porta do restaurante, já tocando e chamando os convidados para se juntarem aos noivos, como numa peregrinação ou numa ala de escola de samba, saímos dançando pelo rua. Que energia.

Fomos devidamente escoltados por policiais, um batedor de moto não deixa que o fluxo desandasse, somos observados de perto pelos transeuntes curiosos que, neste momento passam a aplaudir a noiva, o noivo, mandando beijos, assobios e gritos de boa sorte, felicidades e muito amor. Alguns se arriscam a dançar conosco, outras pediam selfies com a noiva, que prontamente atendia aos pedidos. Ela estava vestida com um longo branco liso divo, complementado por uma capa chiquérrima e, uma casquete no cabelo a lá década de 50, era puro estilo.

Foi uma volta por alguns quarteirões, mas o suficiente pra animar os convidados e as pessoas que estavam na rua naquele momento. E, tudo o que precisou foi, um batedor de policia controlando o trânsito e muita felicidade, além da ginga no pé, não é mesmo?! mas nesse quesito, os convidados Made in Brazil deram um show à parte. Sorry, gringos…

Voltando para o restaurante, nos despedimos da banda e, em seguida foi servido um brunch. Toda essa simplicidade fez desse casamento um dos melhores que eu fui nos últimos tempos, quando a gente faz uma festa pra gente, e, não para impressionar, o resultado é tão original, verdadeiro e único que, só poderia ter valido a pena ter feito esse desvio de roteiro. Decisão acertada.