#Nos40DoSegundoTempo

717 Amsterdam Guest House

Conhecer Amsterdam sempre foi um sonho, finalmente realizado em grande estilo. A cidade é muito charmosa, andar de bicicleta pelos canais é ainda mais divertido, mas, a melhor surpresa desta viagem foi, sem dúvida, o nosso hotel. Ficamos hospedados num “guest house” e, o melhor de tudo, acredite se quiser, éramos os únicos hóspedes daquela casa- hotel na ocasião.

Esta charmosa propriedade fica situada no canal Prinsengracht e foi habitada por muitos anos por um próspero comerciante. Durante grande parte do século XX a propriedade cumpriu apenas uma finalidade social. Depois de sua completa restauração, em 1996, foi que abriu suas históricas portas para a Pousada Exclusive Private Seven One Seven.

Cada quarto tem uma decoração especial, única e aconchegante — os nomes dados aos quartos são de personalidades que deixaram sua marca no mundo. Eu e meu marido ficamos com Tolkien, o famoso filólogo e escritor do Senhor dos Anéis. As crianças ficaram com Goethe, grande escritor e pensador alemão.

717 é um lugar mágico, a viagem fica ainda melhor…

f-tolkien1 f-goethe1

Olhem, que lindo é esse hotel!!!

Entrance

H-Amsterdam-Hotel-717-02-620x413

Hotel-717-photos-Exterior-Hotel-information

70062623

53ee5041a85beeca5abb3b5a_large_4_3_hotel-717-amsterdam

Foto: Reprodução

Seven One Seven – Prinsengracht 717 – 1017 JW Amsterdam

T +31 20 4270 717 F +31 20 4230 717 E info@717hotel.nl

Casamento (vestido) em Barcelona

Minha querida irmã Mariana, numa bela noite em São Paulo, conheceu um espanhol, se apaixonou por ele, namorou e resolveu casar com ele.

Num dado momento, ela anunciou o mês, o dia e a hora das suas bodas – detalhe, o casamento seria em Barcelona – e lá fomos nós para o seu matrimônio. Família, alguns poucos parentes e amigos queridos do Brasil também fizeram parte da caravana. Chegamos com uma semana de antecedência para organizar os últimos detalhes… desculpa esfarrapada, fomos aproveitar mesmo, porque a cidade é maravilhosa, e meu futuro “cunhadinho” é nada mais, nada menos, que o estrelado chef de cozinha Sergio Torres, do renomado Dos Cielos.

Não preciso dizer que comemos muito bem, seria totalmente redundante, Sergio nos levou a lugares fora do circuito turistíco, um deles eu não posso falar o nome… é um daqueles restaurantes que só convidados estão autorizados a entrar. Eu comi um arroz de pescado, e simplesmente não tenho palavras para descrevê-lo!!

Outro restaurante excêntrico onde o Sergio nos levou ficava a alguns quilômetros do centro de Barcelona, nas montanhas. O taxista teve certa dificuldade para encontrar o lugar. Além do visual divino, o nosso chef nos ensinou a façanha de preparar um típico pão com tomate – para mim, que odeio cozinhar, devo confessar que adorei a praticidade do prato. Teve também uma noitada na Luz de Gás, boate do momento, em que dançamos muito, já nos preparando para o ritmo do casamento…

Mas, o mais dramático ainda estava por vir. Eu encasquetei que o vestido que eu tinha trazido não estava do meu agrado, não era bonito e resolvi procurar outro, e isso a apenas algumas horas da festa! Minha fiel escudeira, e Zen total, Fernanda teve aquela paciência que lhe é peculiar e foi às compras comigo, enquanto nossa prima Roberta fugia para a Casa Batló.

Pra facilitar nossa busca, fomos a um grande magazine, El Corte Inglés , andamos por todos os seus nove andares e no último, quando eu já havia perdido as esperanças, ZenFê aparece com “O” vestido nas mãos… Era maravilhoso, cheio de paetês, manga comprida estruturada por uma ombreira interna e curtinho, do jeito que eu gosto – eu estava salva!

Mas, um detalhe havia escapado de nós: os sapatos. Claro, não dava pra tudo ser perfeito. Eu resolvi então que faria uma maquiagem daquelas, assim o foco seria do vestido pra cima, porque o sapato definitivamente não tinha nada a ver. Descendo as escadas rolantes, num gesto dramático, eu e Fê nos entreolhamos e soltamos um grito, AAAHHH!! Achamos o sapato, eu corri, peguei, paguei e finalmente saímos da loja: eu feliz, e a Fê aliviada…

As Bodas foram um sucesso, o Dos Cielos fica no no vigésimo quarto andar do Hotel ME Barcelona, tem uma vista das mais lindas – a comida, vocês podem imaginar… Sergio e seu irmão gemêo, o também chef Javier Torres, se esmeraram no cardápio.

Mas, no quesito animação, não teve pra mais ninguém, nós brasileiros dançamos até o ultimo OLÉ!!

31993_1439722750196_1343959_n

31993_1439718710095_4671982_n

Para quem ficou curioso com a receita de pan con tomate, aàvai, com o próprio chef:

Fotos: DQZ

New York em 4 dias

Como eu morei em NY e tenho uma relação de amor com essa cidade única e tão cosmopolitae até porque, fazer compras em São Paulo não está fácil — sempre que posso dou uma passadinha na Big Apple.

Um dia liguei para a Fê e disse: “vou sozinha para NY sexta-feira, essa é sua grande oportunidade, vai comigo?” — por que eu sou assim. A Fê, naquela calma que Deus lhe deu, disse “tá bom, vou falar com o chefe e te respondo mais tarde.” Em dois dias embarcamos para um final de semana prolongado de compras.

Nos hospedamos no Helmsley Carlton House, na 680 Madison Ave., mais pela localidade que pelo hotel em si, que nem conhecíamos e continuamos sem conhecer até o final dos 4 dias de compras: saíamos bem cedo pela manhã com nossas bolsas à tiracolo (bendita Chanel) e voltávamos por volta de 7pm carregadas de sacolas!!!

O Hotel tinha um porteiro português que sempre se divertia com nossas histórias diárias.

Como era o debut da Fê em NY, precisava aliar as tardes de shopping com um pouco de cultura. Então nosso plano era o seguinte: diariamente dividimos nosso dia em três blocos: cultura, compras e diversão. Daremos aqui algumas dicas imperdíveis para vocês, compartilhando essa nossa expriência.

Nosso dia começava com cultura. Até porque, carregar sacolas o dia inteiro não dá.

Por mais batido que pareça, o Metropolitan Museum é sempre uma grande surpresa. Foi nossa opção para o primeiro dia. Dica dramática: existe um guichêzinho, bem no cantinho, onde você pode optar, discaradamente, por pagar o quanto quiser pela entrada. A entrada para um adulto normalmente custa USD 20.00. Mas, se quiser, você pode pagar menos. É só oferecer uma notinha de 10 e pedir: “Two tickets, please”.
Observação: eu só faço isso porque já fui umas 100 vezes para este museu, tá? Neste dia demos a sorte de ver uma excelente exposição sobre a cultura dos Samurais japoneses e eu gastei bem mais do que os 20 dólares da entrada na lojinha de souvenirs 🙂

Um dos dias começou com uma missa gospel, daquelas que vemos nos filmes. Fomos para o Harlem e nos divertimos a valer. De resto, visitamos também os básicos: St. Patrick`s church, Central Park, Rockfeller Center, etc.

Na última noite conseguimos encontrar tickets de última hora para ver Billy Elliot, um musical engraçado e dramático, que valeu para fechar a nossa trip.

Depois de muito caminhar no Museu, SHOPPING!!! E não estamos falando de outlets, que eu, particularmente, não tenho a menor paciência.

Sacks, Barney’s e Bergdorf Goodman foram nossos magazines preferidos, onde encontramos boas marcas, com roupas de qualidade, a um preço justo e muita praticidade de achar tudo no mesmo lugar, nada de viajar para New Jersey.
Para as compras mais trendy, nos dirigimos ao Meatpacking District, onde fizemos pit stops obrigatórios nas lojas de Diane Von Furstenberg, Scoop, Alexander McQueen e Stella McCartney. Não necessariamente compramos em todas essas lojas, mas, para procurar por oportunidades ou apenas para anotar as tendências, vale a visita.

Rumo ao Soho, o bairro descolado da cidade, demos uma parada para recarregar as baterias comendo “The” Cupcake, na Magnolia Bakery. Imperdível. Voltando às compras, no Soho entramos em quase todas as lojas: Issey Miyake, Isabel Marant, Catherine Malandrino, Phillip Lim, entre outros.

Para o nosso último dia de compras, dica Zen: a Fê descolou uma listinha com os melhores brechós da cidade, um verdadeiro garimpo vintage. Passamos nas seguintes: Armarcord, Ressurrection, The Family Jewels, A seconde Chance e na French Sole.

Para o bloco 3 do dia, escolhemos sempre atividades para descontrair e esquecer que os pés estavam reclamando das longas caminhadas. Jantamos um dia no Le Bilboquet. Literalmente, uma biboca: apertado, mas com uma comida muito boa. Detalhe dramático para os garçons franceses… Outra noite estávamos meio sem fome (graças aos cupcakes) e resolvemos apenas sair para uns drinks no Plaza Hotel. Um luxo.
Em compensação, na noite seguinte saímos para uma bela refeição italiana no Nello. A casa estava cheia e nos colocaram em mesas literalmente coladas a um casal do Texas. Qual não foi a nossa surpresa, mais que simpática, quando o casal nos ofereceu uma garrafa do melhor vinho da casa pela companhia das brasileiras. E depois dizem que os americanos são frios!

Fizemos mais algumas coisinhas aqui e acolá, mas o bom é saber que sempre teremos NYC! new-york

Fotos: DQZ e Reprodução