“Perennial é uma pessoa que cultiva um estilo de vida que harmoniza hábitos e gostos de diversas idades. Um movimento que não se baseia em noção cronológica, mas em identidade social.

“E quem puxa a fila são as mulheres acima dos 40. Quando chegam a essa idade, alcançam um grau de maturidade em que a aprovação dos outros deixa de ser imprescindível. Elas ficam mais leves, mais donas de si e bancam suas escolhas, mesmo que discordem da maioria”, diz a antropóloga carioca Hilaine Yaccoub”.

Quando eu li esse trecho em uma entrevista da Revista Marie Claire, me senti muito representada. Essa sou eu. Claro, só pode ser eu. Sou uma mulher da geração X, aquela que nasceu sem toda essa tecnologia de hoje em dia, mas que aprendeu a se conectar. Quando olho pra trás e me lembro quando eu aprendi a usar um email, sinto graça, inclusive aprendi a fazer coisas altamente tecnológicas nunca antes sonhadas por mim.

A mais importante dessas coisas, certamente foi criar o meu blog, penei no começo pra entender esse tal de WordPress, pra formatar as fotos, fazer as minhas montagens, me arriscar no PhotoShop, enfim me superei. Hoje, faço coisas que até Deus duvida. Verdade, sempre que “a porca torce o rabo”, eu peço ajuda para os meus universitários aqui de casa ou, chamo logo de uma vez o Well (pra me socorrer e concertar alguma cagada).

Aliás, o Wellas que eu chamo de Well é a prova cabal da minha “perenisse“. Esse meu amigo que, anda pela casa dos seus 20 anos, é solteiro, mora sozinho, trabalha, faz freelas e, ainda consegue tempo pra ser um Youtuber. “Como, ele pode ser tão meu amigo e meu parceiro de criações nas mídias sociais, às vezes eu paro e me pergunto?!” eu, uma quarentona, casada e com dois filhos, um estilo de vida completamente diferente ao dele. A resposta está na identificação social que nós temos, um pelo outro. A idade passa a ser apenas um detalhe sem importância.

Por isso, somos chamadas de “ageless” (sem idade). Não sei se essa definição é a melhor de todas, mas sei que é exatamente assim que, eu passei a me sentir, não, não sou uma adolescente, mas também não sou aquela mulher da meia idade clássica. Sou apenas uma mulher. Detesto quando leio no rótulo de um creme a palavra anti-idade, impossível passar ilesa pelo tempo, por isso esse tipo de nomeação me parece totalmente inapropriada. O tempo não dá trégua, envelhecemos sim, eu envelheci, mas não somos mais sinônimo daquela velhice pejorativa – pura e simplesmente.

"84% dizem que não se definem por sua idade"

Estar no meio da vida tem suas vantagens. Se recriar é uma delas, principalmente pra quem passou pela crise dos 40 anos, como eu. A sensação de criação, de descoberta se acentua nessa fase, não sentimos mais aquela pressão de agradar a todos. Sentimos sim, uma falta de atenção, do mesmo jeito que muitas outras mulheres que fogem de um padrão estético também sentem. A fonte da juventude não é eterna, não nos reconhecemos mais nas capas das revistas, raramente uma mulher acima dos 40 anos vai estampar uma.

"91% não acreditam que os anunciantes as entendam"

Agora, o nosso conceito em relação a vida mudou. A urgência de antes começa a diminuir e, a vantagem cronológica nos dá base pro nosso autoconhecimento, nos dá aquela audácia que antes temíamos. Passamos a ser mais livres. Hoje, eu faço um pouco de tudo. Escrevo no blog – recriei o meu estilo e o meu mote principal – voltei pra sala de aula, agora sou uma futura Coaching Holística, me vejo entre cadernos e livros sobre o assunto.

Estou aprendendo sobre Física Quântica, um tema que nunca eu poderia me imaginar estudando. Confesso, esse tema é difícil, passa pela razão e pela falta de razão, eu sei, é complicado explicar, imaginem estudar?!

Criei um projeto – #Nos40DoSegundoTempo – justamente, pra falar sobre nós. Mulheres que estão chegando, chegaram e passaram dos 40 anos. Quero mostrar a nossa cara, desmistificar os estigmas e valorizar nossa beleza.

Faço academia, mas não me mato por ela. O corpo tem sua vitalidade, mas os músculos demoram muito mais para pegar no tranco. As rugas começam a dar sinais de vida, mas meus cremes estão segurando a onda. Eu estou segurando a onda. Sei que envelhecer é parte da vida, que bom, eu estou vivendo. Tenho amigos novos e mais maduros, meus interesses não circulam em razão da minha idade e, sim pelos meus interesses. Posso sair e voltar sem culpa, viajar e demorar, sem ficar com pressa de voltar. Afinal, a casa não vai sair do lugar e meus filhos estão maiores.

“96% das mulheres de mais de 40 anos não se sentem de “meia idade”; 80% acreditam que os pressupostos da sociedade sobre as mulheres de meia idade não representam suas vidas; 67% se consideram em sua plenitude de vida”

*Estudo com 500 mulheres publicado no The Telegraph

Posts relacionados

  • Oi Meninas, oi João! #PapoNaPiscina
    Oi Meninas, oi João. É assim que, geralmente começamos nosso papo diariamente no grupo. E, foi por conta desse mesmo grupo – onde apenas um afortunado pertence ao sexo oposto – que, eu fiz uma ponte aérea esse final... Continue lendo
  • O meu projeto: #Nos40DoSegundoTempo
    Nunca uma definição fez tanto sentido pra mim, como essa –  “ageless generation” – nesse exato momento da minha vida. Quando eu era mais nova, a insegurança era uma constante no meu dia a dia. Não que hoje eu... Continue lendo
  • Carta à minha filha, Cora
    Temos tantas maneiras de fazer uso do nosso direito de fala neste dia 08 de Março que, às vezes não sabemos ao certo de onde começar, por isso vou começar do começo, do ponto de partida, do momento em... Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *