Uma das coisas que eu mais gostava quando estudava Consultoria de Imagem na Fashion Institute of Technology – FIT de Nova Iorque eram as aulas de História da Moda.

O acervo de vestuário da instituição é algo impressionante — em uma dessas aulas a professora Pamela Soohoo nos apresentou a modelos de estilistas do século 18 e 19, como: Hippolyte Leroy, Jacques Doucet, Mariano Fortuny, Paul Poiret, Jean Patou, Elsa Schiaparelli e muitos outros que revolucionaram o modo como gerações passaram a se vestir.

O cuidado durante as aulas era imenso, somente a professora usando luvas tinha autorização para mostrar as peças — e a cada detalhe surpreendente, como as costuras feitas por dentro, o tecido, o caimento, deixava a classe extasiada. Pensar que esses estilistas colocaram suas mãos naquelas obras-primas da costura realmente me deixava emocionada.

Mas o vestido que mais me impressionou foi um de Mariano Fortuny — o Delphos, feito em 1915. Fortuny, inspirado por referências da Grécia Antiga, criou um método de pregueamento ou plissamento de seda que era único, onde trazia leveza e movimento às mulheres. Esse vestido se tornou o MUST HAVE da elite artística europeia na época.

Além dessa aula maravilhosa, a FIT me proporcionou uma visão muito ampla sobre a moda e seus protagonistas, e, sempre que estou em Nova Iorque, não deixo de dar uma passadinha por lá, afinal, suas exposições são imperdíveis, como a próxima, sobre Daphne Guinness, fashionista excêntrica que tem um acervo invejável dos melhores estilistas do mundo.

O Delphos

A inspiração

Daphne Guinness

Daphne Guiness — FIT

16 de Setembro de 2011 – 7 de Janeiro de 2012

Fotos: Reprodução

Posts relacionados

  • The “It” Girl
    A atriz Clara Bow foi a primeira it girl da história — este termo foi criado pela romancista e roteirista Elinor Glyn que descrevia algo a mais em uma mulher, além é claro de muito carisma, elegância, inteligência, finesse,... Continue lendo
  • Do formal ao casual – dois restaurantes em New York
    São tantas opções, e, eu continuo monotemática, dessa última vez em Nova Iorque fiquei sem saber o que fazer quando me deparei com o meu restaurante preferido literalmente a baixo, restando apenas sua fachada do que um dia foi... Continue lendo
  • Leggings by Black Milk Clothing
    “Então, quem sou eu? Eu sou apenas o cara com o trabalho mais legal do mundo.” É com essa frase do criador da Black Milk, que eu vou começar esse post que tem por trás uma história incrível de... Continue lendo
Comentário
  1. Regina Carvalho | Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *