Na minha época de escola não existia essas modernidades de aula de educação sexual, que pena, fico imaginando quantas de nós passamos apuros por falta de informação e pura ignorância. Falar sobre sexo abertamente não era tão simples assim, eu e minhas amigas hoje em dia somos o oposto do que éramos na adolescência. A gente conversa e, conversa muito sobre sexo, falamos de sexo sem tabus, fazemos descobertas íntimas, trocamos dicas sexuais, mas o que é mais importante nessa roda de conversa, foi aprender que os sexo faz parte da saúde feminina.

Com a chegada dos 40 anos, nada mais natural do que tirar algumas MUITAS dúvidas com quem fala da maneira mais simples e descontraída do universo, uma sexóloga. Marina Vasco além de, minha amiga é também psicoterapeuta e sexóloga, especialista em questões dos universos feminino e masculino. Um fera no assunto. Ela fala de sexo com a mesma naturalidade com que, fala sobre os preço dos alimentos no mercado, isso faz com que a gente não sinta envergonhada e a nossa timidez logo desaparece, dando início aos assuntos mais “picantes”.

A Marina sempre me falou sobre a diferença entre a mulher e o homem, em relação ao sexo “Dizemos que a mulher tem o desejo mais responsivo e o desejo do homem é mais espontâneo”ou seja a gente precisa de mais estímulos do que eles. Será que com a chegada da meia idade, nós mulheres vamos perdendo o desejos sexual?! como nos sentimos em relação ao nosso corpo nu?! as perguntas eram muitas, por isso, eu resolvi gravar um vídeo com ela, pra gente começar a falar um pouco sobre essas questões.

Assim, surgiu o primeiro vídeo da 1* Temporada do #Nos40DoSegundoTempo sobre as questões femininas das mulheres dos 40 anos de idade. Na verdade o vídeo vale para todas nós mulheres, enfatizei mais no fator da idade, simplesmente porque vive esta idade, tenho dúvidas, tenho receios e queria fazer essa troca com vocês.

MULHERES

Em um estudo, publicado no periódico científico The Journal of Sex Research, podemos observar as vantagens da idade.

“Foi apontado que, apesar da frequência sexual ser reduzida, as mulheres disseram que suas vidas sexuais melhoraram com a idade. Segundo um estudo apresentado no Congresso da Sociedade da Menopausa da América do Norte, de 2016, isso pode ter relação com o fato de as mulheres heterossexuais sentirem-se mais confortáveis sexualmente com o passar do tempo, tanto pela autoconfiança como pela comunicação com o parceiro, em relação aos primeiros anos de vida sexual.

Em outras palavras, com o tempo, as mulheres tendem a se concentrar menos na frequência e mais nos aspectos emocionais e íntimos do sexo – ou até no conhecimento do próprio corpo.

Para os pesquisadores, a idade permite que os parceiros se concentrem mais na quantidade e qualidade do sexo do que na frequência. Afinal, o sexo mediano pode levar à insatisfação sexual em um relacionamento, enquanto uma relação de qualidade, mesmo que de vez em quando, pode ser mais efetiva”.

Lá na época da minha adolescência, onde a troca de informações fez falta para muitas meninas, eu não queria chegar nessa fase sem elas. Por isso, para as mulheres de hoje, um pouco mais de informação sobre sexo.

Assistam ao vídeo, compartilhe e se inscreva no meu canal. Com vocês: Marina Vasco & LuMich

Direção e Edição: Wellas Diniz

Posts relacionados

  • Pantalona cropped – um look polêmico
    O tema é polêmico, eu já falei AQUI disso. Por isso, esse look é muito especial ~ pelo menos para mim ~ eu gosto muito, ou melhor passei a gostar, acho super descolada essa pantalona cropped, que vai até... Continue lendo
  • Inspirations and Elations
    Hoje, foi a minha vez de aparecer no blog da querida Vanessa Araujo, minha amiga blogueira, linda e muito querida. Quem quiser ver a entrevista na coluna People I Love, é só clicar neste link aqui. LuMich e Vanessa... Continue lendo
  • LuMich por Mari Weickert
    Pessoal, vida de blogueira é uma emoção, fui convidada para o lançamento da coleção da estilista Juliana Jabour para a Riachuelo na semana passada, quem acompanha o DQZ sabe disso, até porque o post é recente. Agora o que... Continue lendo
Comentário
  1. Flavia de Oliveira | Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *